Dívida da Espanha vai aumentar em 23.000 milhões até final de 2012 |
Real Alternative. Real News.|Thursday, October 2, 2014
You are here: Home » Português » Dívida da Espanha vai aumentar em 23.000 milhões até final de 2012

Dívida da Espanha vai aumentar em 23.000 milhões até final de 2012 

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 12 AGOSTO, 2012

Não estão enlouquecendo. 23.884 milhões de euros é o que a dívida da Espanha aumentará no curto prazo se o país continua a adotar as políticas bancárias europeias. A razão para isto é que o pacote atual de medidas de austeridade e empréstimos prolongará a situação dolorosa do país e levará ao fracasso ao inflar a dívida pública, que crecará mais de 23.000 milhões de euros. É por isso que as medidas tomadas até agora pelo governo liderado por Mariano Rajoy levam a questionar qual será o impacto real de um plano de resgate financeiro do governo espanhol, que atualmente é estimado em 300 bilhões de euros. A resposta é que o impacto simplesmente afundará ainda mais a dívida Espanhola.

Como foi o caso na Grécia, a negociação da dívida, tanto para o sistema bancário como do governo espanhol é apenas uma fachada para estender as perdas e acumular o poder nas mãos da elite bancária, da qual todos somos escravos, de acordo com a mídia corporativa. A dívida acima é a dívida que a Espanha vai ter que arcar para financiar seu governo para o resto de 2012. Mais da dívida será adicionada a esta a longo prazo, se o sistema bancário europeu decide resgatar a Espanha, e por sua vez, tornará impossível saldar suas obrigaçoes.

O total de 23.000 bilhões é algo como 27,8% do montante total previsto para o ano.A esse montante devem ser adicionados vários bilhões a mais em termos de dívida de curto prazo — 3 meses a 18 meses. Se as coisas não mudam muito, a dívida de longo prazo será a taxa mais elevada nos últimos anos, segundo um comunicado emitido pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi.

Na sexta-feira, a dívida do Tesouro colocados em dois, quatro e 10 anos estava em taxas de juros variando entre 4,8% e 6,7%. O Diretor de Estudos da Caixa Catalunya, Ramon Roig, explicou que “a taxa na qual se colocou a taxa de juros é praticamente a mesmo do que a usada no mercado secundário.” Portanto, se a dívida espanhola nesta recuperação do mercado consolida-se (o vínculo de 10 anos situou-se em 7,2%), Espanha vai ter que pagar mais juros. “Definitivamente vai torná-lo mais caro para financiar o empréstimo, o que vai complicar a vida”, disse Miguel Angel Bernal, professor de IEB.

Um total de 1.062.100 mil milhões da dívida foi colocada nesta quinta-feira a dois anos, 4,8% (a anterior foi de 5,3%), com 1,024.4 milhões, devido a quatro anos de 6,1% (em o primeiro foi de 5,6%) e 1.0458 bilhões a 10 anos em 6,7% (anteriormente 6,5%).

De acordo com o Tesouro espanhol em junho (últimos dados disponíveis), havia 611.992.000 de títulos em circulação com uma meia vida de 6,2 anos. O custo médio, de acordo com as mesmas estatísticas, é de 4,1%, um dos mais baixos nos últimos anos.

O Ministério das Finanças confirmou que, como em anos anteriores, não haverá leilão de longo prazo, dado o período de férias em meados de agosto. Então, o próximo teste para o estado é 21 e 28 deste mês, quando a maioria da dívida será colocada para a compra. Essa dívida de curto prazo é mais fácil de colocar junto a investidores, entre outras razões, porque em uma situação hipotética em que você pegar o dinheiro dos credores, uma redução da dívida pode ser deixada de fora, dizem analistas. Isto é o que aconteceu na Grécia.

Miguel Angel Bernal, advertiu ontem que “o momento chave é outubro, porque há muitos vencimentos da dívida.” De acordo com o Tesouro, esse mês vai ver a renovação de mais de 20 mil milhões para o longo prazo e cerca de 5.000 milhões a curto prazo. Além desses prazos, o Estado deve financiar os déficits gerados no mesmo período. “Se você gastar mais do que aquilo que você tem, como uma família, torna-se um déficit e o déficit deve ser financiado, o que geralmente se traduz em mais dívida”, disse Roig.

zv7qrnb
About the author:

Luis Miranda is the Founder and Editor-in-Chief at The Real Agenda. His career spans over 17 years and almost every form of news media. He attended Montclair State University's School of Broadcasting and also obtained a Bachelor's Degree in Journalism from Universidad Latina de Costa Rica. Luis speaks English, Spanish Portuguese and Italian.

Add a Comment

WP-SpamFree by Pole Position Marketing