Três Cidades Prisão privadas abrirão em Honduras |
Real Alternative. Real News.|Monday, November 24, 2014
You are here: Home » Português » Três Cidades Prisão privadas abrirão em Honduras

Três Cidades Prisão privadas abrirão em Honduras 

As cidades, que são países dentro de um país e são apresentados como sinais de “desenvolvimento”, levam o termo “comprar um país” a um novo nível.

ASSOCIATED PRESS | 15 SETEMBRO 2012

Nota Editorial: Os investidores podem começar a construção de três cidades privadas em seis meses. Essas cidades serão ‘governadas’ por esses investidores, e não pelo governo hondurenho, o que significa que eles serão “países” dentro do território hondurenho. As cidades terão sua própria polícia, leis, governos e sistemas de tributação. Soa inacreditável? O verdadeiro governo de Honduras deu a aprovação para o início do projeto.

Um grupo internacional de investidores e representantes do governo assinaram o memorando última terça-feira para um projeto que alguns dizem que vai trazer um crescimento econômico muito necessário para este pequeno país da América Central, e que pelo menos um crítico descreveu como “uma catástrofe”.

O projeto visa a fortalecer o frágil governo de Honduras e sua pobre infra-estrutura.Honduras é oprimido pela corrupção, a criminalidade associada à droga e instabilidade política persistente após um golpe de Estado em 2009.

O projeto “tem o potencial de transformar Honduras em um motor de riqueza”, disse Carlos Pineda, presidente da Comissão para a Promoção de Parcerias Público-Privadas. Pode ser “um instrumento de desenvolvimento típico de países de primeiro mundo.”

As “cidades-modelo” tem o seu próprio sistema judicial, leis, governos e forças policiais. Eles também terão poderes para assinar acordos internacionais de comércio e investimento e estabelecer sua própria política de imigração.

Presidente do Congresso Juan Hernandez, disse que o grupo MGK investirá US $ 15 milhões para começar a construção de infra-estrutura básica para a primeira “cidade modelo” perto de Puerto Castilla, na costa do Caribe. Essa primeira cidade iria criar 5000 postos de trabalho nos próximos seis meses e até 200 mil empregos no futuro, disse Hernandez. Coreia do Sul tem dado Honduras $ 4 milhões para um estudo de viabilidade, disse.

“O futuro vai lembrar deste dia como o dia em que iniciou o desenvolvimento de Honduras”, disse Michael Strong, CEO do Grupo MKG. “Acreditamos que esta será uma das transformações mais importantes do mundo, através do qual a pobreza finalizará em Honduras através da criação de milhares de empregos.”

Hernandez disse que outra cidade será construída no Valle de Sula, no norte de Honduras, e uma terceira no sul de Honduras, mas não deu outros detalhes.

O projeto é oposito por grupos civis e indígenas Garifuna indígenas, que dizem que não querem suas terras perto de Puerto Castilla, na costa do Caribe, sendo usadas para o projeto. As pessoas Garifuna vivem ao longo da costa caribenha da América Central. Eles são descendentes dos índios Arawak do Caribe Amazônico que escaparam da escravidão na África Ocidental.

“Esses territórios são dos Garifuna e não podem ser dados ao capital estrangeiro, em um movimento que é puro colonialismo como o vivido em Honduras durante o tempo em que o nosso país tornou-se um enclave bananeiro”, disse Miriam Miranda, presidente da Organização Fraterna Honduras Preto.

Oscar Cruz, ex-advogado constitucional, apresentou uma moção na Suprema Corte no ano passado, que caracteriza o projeto como inconstitucional e “uma catástrofe para Honduras”.

“As cidades envolvem a criação de um Estado dentro de um Estado, uma entidade empresarial com poderes de Estado, mas fora da jurisdição do governo”, disse Cruz.

O Supremo Tribunal Federal recebe a queixa

Em entrevista quarta-feira, Forte disse que, agora que o governo de Honduras deu a aprovação final para os limites das áreas, os desenvolvedores irão começar a construção de infra-estrutura em meia milha quadrada para a primeira cidade onde esperam ter duas ou três empresas como inquilinos no prazo de 18 meses.

Ele disse que o investimento de US $ 15 milhões, estava sujeito a aprovação pelo governo de Honduras. Ele acrescentou que não houve inquilinos interessados ??em se mudar para cidades privadas, mas os investidores antecipam ter manufatura têxtil, montagem de produtos e empresas subcontratadas como call centers e processamento de dados.

“As pessoas não vão gastar muito dinheiro em algo que não vai funcionar”, disse Strong. Ele não mencionou qualquer um dos investidores do projeto.

Ele disse que os trabalhadores serão capazes de viver nas cidades, e que as leis hondurenhas que criaram as áreas privadas garantem que cada cidadão do país pode viver lá.

“Pode ser uma cidade de grande escala”, disse Strong. “Uma vez que tenhamos empregos com habitação a preços acessíveis, escolas, clínicas, igrejas, lojas, restaurantes, todas as coisas que criam uma comunidade real.”

O presidente da Honduras escolherá “figuras internacionais respeitadas no mundo”, sem interesse financeiro no projeto como membros de nove conselhos independentes que irão supervisionar o funcionamento das cidades, cujas operações diárias serão administradas por um governador nomeado pelos conselhos. Futuras nomeações para o conselho deverão ser decididas pelos votos dos membros dos conselhos, disse.

Governadores estabelecerão as regras que governam as cidades inicialmente junto com investidores, disse Strong, mas essas regras podem ser alteradas no futuro por voto popular entre todos os moradores da cidade.

Strong disse que a lei hondurenha não se aplicaria nas cidades, mas teria que aderir a convenções internacionais sobre direitos humanos e outros princípios.

O representante comparouas cidades com outras governadas por melhores práticas como as zonas de livre comércio em todo o mundo, como Dubai, e espera-se que isso signifique criar empregos e apoiar o desenvolvimento de Honduras.

“Em geral, essas zonas têm sido espetacularmente bem sucedidas em termos de desenvolvimento econômico”, disse ele. “Estou muito otimista”.

Nota Final: Na verdade, as zonas francas eram projetos de formação inicial para p que hoje são “cidades-modelo”, que, como foi explicado no início, são realmente o projeto de futuro dos globalistas que procuram concentrar a população em centros urbanos  densamente povoados. Esta é a proposta do plano da ONU conhecido como Agenda 21.

Tradução: Luis Miranda. Este artigo foi publicado originalmente em 6 de setembro de 2012.

m4s0n501
About the author: Luis Miranda

Luis Miranda is the Founder and Editor-in-Chief at The Real Agenda. His career spans over 17 years and almost every form of news media. He attended Montclair State University's School of Broadcasting and also obtained a Bachelor's Degree in Journalism from Universidad Latina de Costa Rica. Luis speaks English, Spanish Portuguese and Italian.

Add a Comment

WP-SpamFree by Pole Position Marketing