|Saturday, April 29, 2017
You are here: Home » Português » Paraísos Fiscais são Fundamentais para a Concentração da Riqueza

Paraísos Fiscais são Fundamentais para a Concentração da Riqueza 

Brasil

“Vivemos em um mundo cujas regras são feitas para os super-ricos”, explica Tobias Hauschild, da Oxfam Alemanha.

Os 62 indivíduos mais ricos do mundo possuem tanta riqueza quanto a riqueza do resto da população de acordo com a Oxfam.

A riqueza dos 50% mais pobres caiu 41% entre 2010 e 2015, enquanto a riqueza das 62 pessoas mais ricas do mundo aumentou de 500 bilhões de dólares para 1,76 trilhões de dólares no mesmo período.

Em 2020, o número de bilionários no mundo vai caber em um pequeno ônibus.

Os 50% mais pobres do mundo detêm apenas 0,7% da riqueza global, enquanto os 51% mais ricos detêm o 99,3% restante.

Os paraísos fiscais são a chave para estes 62 bilionários esconderem seu dinheiro e evitarem pagar impostos.

Essas pessoas, também, conseguem ‘investir’ seu dinheiro em instituições de caridade a fim de evitar serem tributados por qualquer governo.

Até agora, sabíamos que a riqueza é mal distribuída, mas não sabíamos exatamente como o sistema tinha sido fraudado para mantê-lo dessa forma.

As 62 pessoas mais ricas do mundo têm, hoje, “exatamente o mesmo que a metade mais pobre da população mundial”, diz um estudo da Oxfam.

A verdade é que a riqueza está mais concentrada do que nunca. Há um ano atrás, o mundo tinha um total de 80 bilionários, um número que diminuiu para 62 em 2016.

“Vivemos em um mundo cujas regras são feitas para os super-ricos“, explica Tobias Hauschild, da Oxfam Alemanha.

Na verdade, “um por cento da população do mundo tem mais do que o resto do mundo como um todo”, disse a Oxfam. O relatório é baseado nos dados do “Wealth Report 2015”, que foi produzido pelo banco Credit Suisse.

Em outras palavras, os bens dos 70 milhões de super-ricos superam os bens dos 7 bilhões de pessoas na Terra.

O relatório da Oxfam documenta o aumento da desigualdade social em todo o mundo.

Segundo os autores, algumas causas são a implementação inadequada do capital e lucro fiscal, bem como a transferência de lucros para paraísos fiscais.

Só nos últimos cinco anos, os bens das 62 pessoas mais ricas, incluindo 53 homens, aumentou 44% para 1,61 bilhões de euros.

Ao mesmo tempo, os bens da metade mais pobre da população diminuíram em um bilhão de euros.

A diminuição de 41% na riqueza dos mais pobres ocorreu no mesmo período que a população mundial aumentou em 400 milhões de pessoas, diz a organização humanitária no seu relatório sobre o desenvolvimento social.

O relatório é sempre apresentado na véspera do Fórum Econômico Mundial em Davos, onde, precisamente, os mais ricos dos ricos se reúnem para definirem a política econômica mundial para o próximo ano.

“O capital dos mais ricos cresceu 44% enquanto a metade mais pobre perdeu 41% do seu capital,” diz o relatório.

Oxfam pediu aos cerca de 2.500 políticos, empresários e cientistas de mais de 100 países, que se reunirão em Davos de 20 a 23 de janeiro, para usarem de sua influência para assegurar que a desigualdade entre ricos e pobres seja reduzida.

O fato que as regras são feitas para favorecer os super-ricos torna mais difícil o combate à pobreza e à doença.

“O que é necessário é um sistema econômico e financeiro que beneficie a todos.”, diz Hauschild.

De acordo com a Oxfam, o sistema ideal deveria evitar que “as grandes corporações fugissem às suas responsabilidades.”

Nove em cada dez grandes corporações têm filiais em, pelo menos, um paraíso fiscal, diz o estudo.

Oxfam exige que os impostos sejam pagos apenas no país onde são obtidos os lucros. Além disso, a responsabilidade dos políticos é acabar com os paraísos fiscais que permitem que os super-ricos escondam seus lucros.

A fim de criar um sistema fiscal internacional justo, é necessário, de acordo com a Oxfam, forçar as corporações a informarem, publicamente, os lucros obtidos e os impostos pagos em seus países de operação.

Além disso, a organização humanitária diz que países devem terminar com a prática de conceder taxas de imposto mais baixas“. As corporações devem divulgar todos os seus incentivos fiscais.

About the author: Luis R. Miranda

Luis Miranda is an award-winning journalist and the Founder and Editor of The Real Agenda News. His career spans over 20 years and almost every form of news media. He writes about environmentalism, geopolitics, globalisation, health, corporate control of government, immigration and banking cartels. Luis has worked as a news reporter, On-air personality for Live news programs, script writer, producer and co-producer on broadcast news.

Add a Comment