|Friday, April 19, 2019
You are here: Home » Português » A agenda sombria por trás da ideologia de gênero

A agenda sombria por trás da ideologia de gênero 


ideologia de genero

Igualdade de gênero, feminismo e legalização do aborto têm algo em comum: são apoiados por idéias não-científicas impostas aos indivíduos para fins autoritários.

Ao falar sobre a chamada igualdade de gênero, as pessoas precisam entender que ela pertence à mesma ideologia que promove a legalização total do aborto e a imposição do feminismo a todos.

Sua finalidade não é trazer igualdade real entre homens e mulheres, mas destacar a ciência e a biologia do conceito de gênero e substituir ambas pela ideia de que gênero é apenas uma questão de cultura.

A base principal da ideologia de gênero é que somos definidos pelo nosso ambiente, não pelas características biológicas e fisiológicas com que nascemos.

As pessoas por trás dessa forma de ideologia de gênero – não o típico apoiador que participa de marchas e eventos pró-feministas, mas as pessoas no topo – querem que os humanos se desconstruam, enquanto negam que essa forma tóxica de ideologia de gênero realmente exista.

É importante notar que, apesar do que você possa pensar sobre a igualdade de gênero, esse movimento é impulsionado pela ideologia e apenas pela ideologia. Em outras palavras, é um movimento cujas idéias vão contra a razão e a evidência, como fazem todas as ideologias.

O marxismo é um exemplo histórico de um tipo de ideologia que se propõe a impor “igualdade” pela força; igualdade social. Os defensores do marxismo querem que as pessoas sejam igualmente pobres.

A ideologia de gênero pretende usar afirmações incorretas e falsas para mobilizar grupos políticos e sociais para promover a destruição da natureza humana.

Embora aparentemente promova a melhoria da vida de mulheres e pessoas na comunidade LGBT, a ideologia de gênero viola todos os princípios da biologia, fisiologia, psicobiologia, anatomia, neurociência genética e outros.

O principal problema da ideologia de gênero é que ela não termina com a omissão da ciência. Na verdade, esse não é o pior pecado. O problema real é que procura minar nossas liberdades individuais.

A ideologia de gênero usa a força do Estado

Um ponto importante a se fazer é que a ideologia de gênero não poderia existir sem a força do Estado. Não existiria sem o estatismo.

Não importa onde você olhe, onde quer que você encontre um forte impulso para a igualdade de gênero, para a legalização do aborto e para as políticas pró LGBT, você encontrará um Estado crescente e mais opressivo.

Historicamente falando, sempre que o Estado é empoderado, as liberdades individuais são ameaçadas.

Dentro da ideologia de gênero, mais especificamente no caso da igualdade de gênero, o Estado e as pessoas por trás de sua agenda não apenas promovem a premissa anticientífica de que as pessoas são quem elas percebem ser, mas também, procuram impor uma realidade não natural e não científica sobre o resto da população pela força e coerção.

Impor a ideologia de gênero a todos promove a corrupção. As pessoas aproveitam as políticas aprovadas pelos governos para enganar todo mundo.

Na Argentina, por exemplo, os homens estão mudando seu gênero para feminino, para poder se aposentar mais cedo. Na Suécia, um novo projeto de lei propõe que os homens se sentem no vaso sanitário para urinar no lugar de fazê-lo em pé.

Mais recentemente, o governo socialista da Espanha proibiu o discurso de um grupo chamado Hazteoir.org e proibiu a circulação de um ônibus que eles usaram para espalhar uma mensagem cientificamente verdadeira. A mensagem dizia: “Os meninos têm pênis e as meninas têm vulvas. Não se deixe enganar. Se você nasceu homem, você é um homem, e se você nasceu mulher, você é uma mulher.”

Infelizmente, a ideologia de gênero vai muito além de trapacear a sociedade. Junto com a chamada igualdade de gênero, legalização do aborto e busca de direitos inexistentes para as pessoas da comunidade LGBT, há também a promoção do discurso politicamente correto, que busca impor uma linguagem limitada. Em muitos casos, esse discurso é formado em parte pelo que é chamado de linguagem inclusiva.

As pessoas que falam contra a ideologia de gênero são penalizadas e até presas por discordarem de políticas não científicas e não razoáveis ​​que lhes são impostas pela força.

Na Argentina, é proibido se opor às feministas e suas idéias quando elas participam de programas de rádio ou televisão. Quando as pessoas se opõem ou argumentam contra a ideologia de gênero, suas idéias são rotuladas como discurso de ódio e seu direito de expressar sua oposição a tal ideologia é imediatamente banido.

Aos olhos daqueles que apóiam a ideologia de gênero, a sociedade deve reconhecer e aceitar que os homens podem ter vaginas e as mulheres podem ter pênis. Pensar de forma diferente pode levar uma pessoa a ser processada judicialmente e, em muitos casos, a serem atacados fisicamente.

No País Basco, uma região no norte da Espanha, os promotores da ideologia de gênero determinaram que jogar futebol na escola deve ser banido porque, segundo eles, territorializa o espaço baseado nas diferenças de gênero.

No Canadá, um projeto de lei propunha penalizar as pessoas por usar pronomes “impróprios” ao se dirigirem uns aos outros. Em outras palavras, se um homem pensa que ele é uma mulher e alguém usa um pronome masculino para se dirigir a ele, ele poderia entrar com uma ação porque essa pessoa violou sua percepção de quem ele realmente é usando um pronome masculino. “Infratores” podem ir para a cadeia por até 6 meses se um juiz determinar que ele é culpado.

Embora a ideologia de gênero pareça buscar a libertação de alguns grupos sociais, na realidade, quando examinada de perto, é fácil perceber que com cada novo passo dado a supostos direitos das minorias, o Estado e os grupos que apoiam a imposição da ideologia sobre o resto da população estabelecem novas proibições às liberdades individuais.

Como mencionado anteriormente, a ideologia de gênero é uma ferramenta para fornecer ao estado ainda mais poder para atropelar e destruir a nossa identidade, aumentando os impostos para pagar por cirurgias de mudança de sexo, dizendo às pessoas o que pensar e o que não pensar e como expressar suas idéias.

Certamente, ninguém que seja a favor da defesa da liberdade individual e do autogoverno poderia apoiar a agenda tóxica imposta pela ideologia de gênero pela simples razão de que seu objetivo final é destruir o tesouro mais precioso da humanidade: a consciência individual.

About the author: Luis R. Miranda

Luis Miranda is an award-winning journalist and the Founder and Editor of The Real Agenda News. His career spans over 20 years and almost every form of news media. He writes about environmentalism, geopolitics, globalisation, health, corporate control of government, immigration and banking cartels. Luis has worked as a news reporter, On-air personality for Live news programs, script writer, producer and co-producer on broadcast news.

Add a Comment