|Tuesday, September 25, 2018
You are here: Home » Português » O Golpe da Pirâmide das Redes Sociais

O Golpe da Pirâmide das Redes Sociais 


Redes sociais

As personalidades das redes sociais geraram mais de 4 bilhões de dólares em um ano para as corporações que fazem parte da fraude da pirâmide.

Um esquema de pirâmide ou, como eu prefiro chamá-lo, golpe de pirâmide, é um modelo de negócios que recruta membros através de uma promessa de pagamentos por inscrever outros no esquema golpe fraudulento, em vez de fornecer investimentos ou venda de produtos ou serviços.

As mídias sociais são uma versão oculta, no entanto aberta, de fraude de pirâmide. Você verá o que quero dizer em breve.

Elas recrutam membros – outros negócios ou indivíduos – com a promessa de ganhar dinheiro, “ajudando a divulgar” suas personalidades ou atividades comerciais, desde que aumentem o número de curtidas ou seguidores.

Parece natural que, se um indivíduo é uma pessoa muito talentosa ou se um produto ou serviço estiver sob demanda, ele terá um número crescente de curtidas e seguidores.

No entanto, revelou-se que as pessoas podem pagar empresas de marketing ou hackers para produzirem, literalmente, milhares e, em alguns casos, dezenas de milhares de curitdas e seguidores falsos.

É comum encontrar artigos on-line que não só promovem a compra ou a produção de seguidores, mas também chamam essa prática de legítima em alguns casos. Em outras palavras, não é o que o usuário de mídia social oferece o que atrai curtidas ou seguidores.

Se você ainda não entende por que ou como as mídias sociais são golpes de pirâmide, entremos em outro aspecto da fraude.

Talvez o exemplo mais claro de uma fraude da pirâmide seja o fato que um grupo muito pequeno de pessoas pega o dinheiro alegando que estão espalhando a riqueza sob a forma de um produto ou serviço.

Os proprietários de redes sociais e milhares de pessoas que vêem essas ferramentas como um positivo, em vez de um negativo, argumentariam que eles fornecem uma plataforma para que milhões de pessoas ofereçam seus produtos ou serviços ao mundo e que o façam “de graça “.

Todo mundo sabe que não há almoço grátis, então o dinheiro que circula em torno das plataformas de redes sociais existe e está entrando no bolso de alguém.

Eu não estou falando da modelo de maiô que ganha alguns milhares de dólares por ano para endossar uma marca de shampoo e por publicar fotos dela em suas mídias sociais. Estou falando de dinheiro sério.

Agora, muitas pessoas diriam que o cenário anterior é uma contradição com o meu primeiro argumento, que ninguém, exceto os proprietários das plataformas de redes sociais, ganham dinheiro no esquema da pirâmide das redes sociais. Não é. Deixe-me explicar um pouco mais.

Outra particularidade da fraude da pirâmide das redes sociais é que tanto os proprietários quanto os primeiros usuários gozam do fruto da novidade do esquema da pirâmide.

Mas esta recompensa de resultados positivos só dura desde que a fraude seja uma novidade, ou no caso das mídias sociais, até que a farsa seja exposta.

Modelo do culto de personalidade

Se você quiser saber a proporção da fraude da pirâmide das redes sociais, dê uma olhada nisto.

Enquanto o usuário médio da fraude da pirâmide em mídias sociais é um “mortal” e, enquanto o usuário médio pode obter alguns milhares de dólares por mês vendendo seu produto ou serviço, as personalidades das redes sociais geraram mais de 4 bilhões de dólares em um ano para aqueles que têm dinheiro para pagá-los para endossar seus produtos ou serviços.

Como eles fazem todo esse dinheiro? Eles ganham todo esse dinheiro nas costas de consumidores insensatos que não conseguem parar de clicar nos botões de CURTIR e COMPARTILHAR nas postagens de redes sociais.

Quão difícil é clicar nos botões CURTIR e COMPARTILHAR, você pode perguntar? Não é muito difícil, mas esse não é o ponto.

A questão é a quantidade de tempo que os consumidores de vidas alheias desperdiçam clicando ou lendo sobre a vida de outros e o quão improdutivos se tornam ao fazer isso.

Não há almoço grátis, lembra?

Os proprietários de redes sociais atraem consumidores compulsivos com todos os tipos de iscas que gostam, para compartilharem ou seguirem pessoas ou empresas.

Por que as corporações no topo da pirâmide usam as iscas?

“A maioria das marcas tem dificuldade em se inserir no estilo de vida das pessoas de forma natural por falta de credibilidade nesses espaços”, diz Claudia Page, vice-presidente da Creator Partnerships at Crowdtap.

Enquanto as personalidades das redes sociais ganham mais de 4 bilhões de dólares para seus patrocinadores, o quanto essas personalidades ganham para si mesmas?

O poder de ganhar dinheiro destas estrelas da mídias sociais depende de quem são, pois determina o quanto elas podem cobrar.

Um guru de fitness pode cobrar cerca de 4.000 dólares por postagem e uns 20.000 dólares por campanha publicitária.

Esses montantes, claro, também dependerão de quantos seguidores o famoso transformado em isca tem em suas contas de mídia social.

Daí a importância de ter comprar seguidores.

Sete milhões de assinantes permitiriam qualquer um famoso obter um contrato 300.000 dólares com o Youtube, uma empresa do Google.

Isso faz o Youtube a fonte mais lucrativa para personalidades nas redes.

Pagar alguém 300.000 dólares por uma campanha de vídeo é insignificante em comparação com o dinheiro gerado pelas fraudes de pirâmide de redes sociais via publicidade.

Antes de entrar nesses números, é relevante perguntar quanto de todo esse dinheiro os consumidores recebem?

Você também está gerando dinheiro para eles, mas em troca do que?

Nada.

Então, quem são os grandes vencedores da fraude das redes sociais?

Se você acha que ganhar 300.000 para fazer um videoclipe de 30 segundos ou 20.000 para fazer uma campanha publicitária é exagerado ou absurdo, espere até ver o quanto os proprietários da pirâmide das mídias sociais ganham.

Facebook, Twitter e Instagram, entre outros, são os verdadeiros vencedores da fraude da pirâmide das redes sociais.

Existem 467 milhões de usuários no LinkedIn, 330 milhões de usuários no Twitter, 2 bilhões no Facebook, 500 milhões no Instagram e 158 milhões de usuários no Snapchat.

Todas essas empresas são negociadas publicamente, de modo que os investidores, investidores sérios, como aqueles que criaram essas plataformas de mídias sociais e que ainda possuem a maioria de suas ações, ganham toneladas de dinheiro.

A maravilha, se eu puder usar esse termo, da fraude da pirâmide das redes sociais é que não há produto para vender porque o produto a ser vendido é VOCÊ, o consumidor compulsivo de vidas alheias.

“A transação real aqui não é você recebendo prazer na forma de uma distração temporária gratuita criada por uma empresa de mídia com grande custo, mas sim, que a empresa de mídia aluga seus globos oculares aos seus anunciantes”, diz o autor Greg McFarlane. E adivinhe o que? Você não está recebendo sua parte por isso.

De acordo com a Securities and Exchange Commission (SEC) dos Estados Unidos, o Facebook obteve cerca de 6 dólares por usuário em 2012.

O Facebook informou ter 2 bilhões de usuários no terceiro trimestre de 2017, então, se fizermos o cálculo, no ano passado, multiplicando 6,00 por 2 bilhões saberiamos o quanto o Facebook gerou em lucros.

Somente em 2017, assumindo que o lucro por usuário do Facebook permaneceu nos níveis de 2012, a empresa faturou 12 bilhões de dólares. Se você é um usuário do Facebook, felicite-se, você foi comoditizado com sucesso.

Estes são os números de uma rede social, talvez a rede social preeminente, por um ano.

Que tal o Twitter? Bem, embora o pássaro viu a receita cair por um tempo, ela foi de 17,9 milhões de dólares em 2011 para 717 milhões de dólares em 2017, de acordo com a Statista.

Se adicionar o número de usuários de todas as plataformas de redes sociais citadas acima e multiplicá-los por uma média de 4,5 dólares por indivíduo, você chega a uma receita total de 15,750,000,000 trilhões de dólares somente em 2017.

É importante lembrar que milhões de usuários de redes sociais são reincidentes.

Em outras palavras, eles têm múltiplos perfis nessas plataformas e, em muitos casos, perfis múltiplos em uma única plataforma. Mais uma vez, parabéns a todos vocês humanos comoditizados.

A mesma fraude utilizada pelas redes sociais é usada pelas indústrias de televisão e notícias – não colocamos anúncios em nosso site, real-agenda.com.

Talvez as indústrias de televisão e notícias tenham a desculpa de entregar séries de TV divertidas ou artigos de revistas interessantes, mas, além disso, é a mesma fraude: a comoditização dos seres humanos.

A comoditização dos seres humanos não é exclusiva de fraudes de pirâmide de redes sociais, redes de televisão ou jornais.

Também é usado pela indústria farmacêutica, por exemplo. A diferença é que, em vez de contar receitas de acordo com o número de usuários, as empresas farmacêuticas contam quantos individuos foram injetados ou quantos compraram os fármacos.

No século 20, as pessoas viviam em uma plantação de consumo físico. No século 21, eles vivem em uma plantação de consumo digital.

O pior de tudo isso é que existem gerações de crianças – sem exagero – que nascem acreditando que podem ser personalidades ricas e famosas, Youtubers apenas porque podem gravar um vídeo no conforto de seu porão.

Infelizmente, muitos deles serão parcialmente famosos e ganharão alguns milhares de dólares, porque quem pode resistir a ver uma pegadinha no Youtube ou CURTIR, COMPARTILHAR e SEGUIR alguém mostrando sua nova Lamborghini?

Nada de bom, tudo de ruim?

Sou um herege quando se trata de tecnologia e como esta é usada para realizar golpes de pirâmide em redes sociais? Sim, embora tenham alguns aspectos positivos.

Eu tenho contas de redes sociais com a finalidade de publicar meus artigos e ocasionalmente compartilhar uma foto com meus parentes.

É na publicação que acredito que as plataformas de redes sociais cumprem seu papel mais importante.

Notícias e informações foram democratizadas com a chegada das mídias sociais, embora esse não fosse seu propósito original.

É a democratização da informação e o empoderamento que vem com ela que levou os governos e os proprietários das fraudes da pirâmide das redes sociais a censurar publicamente os usuários; para o “melhoramento do coletivo”, é claro.

Você acredita nisso? Proprietários de plantações digitais e seus políticos fantoches dizem que eles se preocupam com as mesmas pessoas que comercializam?

Não é uma causa nobre?

Como na maioria dos casos, o poder de usar plataformas de redes sociais para seu benefício é SEU.

Basta CURTIR, COMPARTILHAR e SEGUIR conscientemente.

Então, por favor, se você achou este e outros dos nossos artigos benéficos para você, CURTA e COMPARTILHE este artigo e SIGA esta publicação.

Quando os seres humanos se tornam commodities, como foram nas últimas duas a três décadas com os valores em mudança da civilização ocidental, começamos a usar seres humanos para fins diferentes dos fins para os quais foram criados“.

Dr. Theresa Deisher, PhD

About the author: Luis R. Miranda

Luis Miranda is an award-winning journalist and the Founder and Editor of The Real Agenda News. His career spans over 20 years and almost every form of news media. He writes about environmentalism, geopolitics, globalisation, health, corporate control of government, immigration and banking cartels. Luis has worked as a news reporter, On-air personality for Live news programs, script writer, producer and co-producer on broadcast news.

Add a Comment