Em um país mergulhado em uma profunda crise social, econômica e política, pouca atenção foi dada à exploração mineral de 111.843 quilômetros quadrados.

[otw_shortcode_dropcap label=”A” font=”Bitter” background_color_class=”otw-no-background” size=”large” border_color_class=”otw-no-border-color”][/otw_shortcode_dropcap] Venezuela extrai petróleo desde 1910, quando sua exploração se tornou mais lucrativa do que o café e o cacau.

Todos os projetos de desenvolvimento nacional e renda dependem de recursos energéticos como o petróleo. Mas nem mesmo a exploração do petróleo resultou em uma nação próspera.

Atualmente, a profunda crise econômica que resultou da corrupção do governo e da intervenção estrangeira fez com que o governo de Nicolás Maduro diversificasse suas políticas de extrativismo como uma alternativa para obter alta renda econômica de curto prazo.

Em 2016, o governo inaugurou oficialmente a Zona Nacional de Desenvolvimento Estratégico Orinoco, em uma superfície terrestre equivalente a 12,2% do território nacional venezuelano.

O projeto ocupa parte do território na margem sul do rio Orinoco, a principal fonte de água do país, onde vivem 54.686 indígenas. Além do territôrio indígena, também ocupa terras de grande biodiversidade ecológica, fato que ameaça habitats naturais.

Segundo o governo, o projeto busca a extração e a comercialização, por empresas nacionais, estrangeiras ou de capital misto, dos minerais da bauxita, diamantes, ouro, ferro, cobre, caulim e dolomita em toda a margem sul do rio Orinoco.

A exploração mineral obteve aprovação apesar da falta de estudos de impacto ambiental e sociocultural nas atividades suscetíveis de gerar danos aos ecossistemas.

Os artigos 129 e 120 da Constituição venezuelana tornam ilegal a exploração de minerais em qualquer parte do país sem a realização de uma consulta prévia, livre e informada aos povos indígenas, quando os recursos naturais são usados ​​em habitats indígenas.

Há muitos setores que criticaram o projeto, desde setores indígenas que vêem seus direitos afetados, até organizações ambientalistas e de direitos humanos que levantaram suas voces.

Nesse sentido, o Grupo de Trabalho para Assuntos Indígenas da Universidade de Los Andes e o Laboratório de Paz denunciaram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) a violação de tais direitos humanos no âmbito deste projeto.

Segundo eles, as violações incluem a omissão do estudo de impacto ambiental, bem como o direito à consulta livre, prévia e informada; impactos negativos no processo de demarcação de territórios indígenas; violações do decreto pelos direitos à liberdade de reunião e associação pacíficas, bem como os direitos trabalhistas e a militarização da área, sem fazer consultas efetivas com as comunidades indígenas.

Enquanto isso, o governo de Nicolás Maduro não escutou as diferentes críticas feitas contra este projeto. Pelo contrário, as diferentes iniciativas que alertaram sobre o impacto do projeto foram banidas da mídia pública.

Em um país mergulhado em uma profunda crise social, econômica e política, pouca atenção tem sido dada a essa situação e ao processo de mobilização contra o projeto, que inclui acadêmicos, ativistas ambientais e ativistas de direitos humanos, povos indígenas, músicos e outros.

As repercussões deste projeto que já começam a ser notadas. Nos últimos anos, a mineração ilegal na área expandiu-se e com ela aumentou o fluxo de pessoas que chegam em busca de oportunidades econômicas imediatas.

A chegada de novas pessoas resultou na acentuação da crise de saúde com a aparição de doenças como a malária. Em um país que enfrenta uma grave crise humanitária com uma crescente escassez de medicamentos, isso não é um mal menor.

Na ausência de medicamentos e centros de saúde, o número de mortes como resultado dessas doenças é significativo.

A crise social, política e econômica que afeta a Venezuela é muito grave e as severas violações dos direitos humanos que persistem no país merecem a atenção das organizações nacionais, bem como da comunidade internacional.

Acima de tudo, ninguém pode ignorar a grave situação ambiental que pode surgir da implementação do projeto.

Em maio de 2018, 24 países da América Latina e Caribe adotaram o Acordo Escazú, que busca garantir efetivamente o direito de acesso à informação e o direito da população a ser consultado sobre questões que possam afetar sua qualidade de vida ou o direito de desfrute de um ambiente saudável.

O processo de ratificação do instrumento é aberto em setembro de 2018, e o compromisso inquestionável de garantir os direitos ambientais e proteger defensores do meio ambiente seria a imediata ratificação do instrumento pela Venezuela e sua efetiva implementação.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You May Also Like

The TB pandemic that nobody sees, but that kills millions a year

  31.8 million people will have died by 2030 if tuberculosis is…

Singapore goes full 1984

In uncertain times, Singapore leaves no room for doubt about its commitment…