Tradução Luis Miranda
Strategic Culture Foundation
11 de novembro 2011

O lobby todo-poderoso de Israel em Washington, o American Israel Public Affairs Committee (AIPAC), uma organização de colaboradores de Israel, infiltrados e traidores para os Estados Unidos está circulando um projeto de lei (HR 1905) na Câmara dos Deputados que proibiria que o Presidente dos Estados Unidos, a Secretária de Estado, membros do Serviço de Estrangeiros dos EUA, ou qualquer outro enviado, manter qualquer tipo de contato diplomático oficial com qualquer membro ou agente do governo de Irã. Somente quando o Presidente indique às comissões necessárias que podem participar de contatos diplomáticos com o Irã é que eles poderiam fazer esse contato. Israel tem o controle de facto sobre as comissões de Relações Exteriores do Congresso, portanto, qualquer notificação da Casa Branca para expressar a necessidade de contato com as autoridades iranianas é imediatamente transmitida para o Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, Israel, que, então, interviria antes de qualquer contato entre os EUA e Irã. Com esta resolução, AIPAC quer tornar os EUA ainda mais em um vassalo do Estado judeu.

Netanyahu e vaiado por ativistas pró-palestina na convenção da AIPAC.

A estratégia de Israel é garantir que os seus planos para atacar instalações nucleares do Irã, e talvez outros objetivos, não tenha oposição dos círculos diplomáticos dos Estados Unidos … Israel colocou os seus próprios interesses além e em direcao contrária aos de Estados Unidos.

A perspectiva de um ataque israelense ao Irã, apoiado pela Arábia Saudita – aliado secreto de Israel na região – teve um efeito cascata em todo o Oriente Médio e Ásia.

Os países asiáticos estão lutando para se juntar à Organização de Cooperação de Xangai (SCO) como membros plenos. Diante de um beligerante Estados Unidos, a OTAN e a intenção de Israel de derrubar os governos da Síria e do Irã, o pacto de segurança econômica, cultural, que inclui Rússia, China, Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão e Tadjiquistão, anunciou após sua primeira cúpula ministerial em São Petersburgo que a SCO em breve abrirá as suas portas para o pleno apoio do Paquistão, Irã e Índia. Os países asiáticos querem congelar a interferência dos EUA na Ásia.

Antes da cúpula em São Petersburgo, Rússia e China advertiram fortemente ao Ocidente contra qualquer ataque militar contra o Irã. As palavras usadas na diplomacia internacional são uma reminiscência da Guerra Fria, no entanto, é o Ocidente que está fazendo o papel do agressor, mesmo sendo um invasor dominado por Israel, os espiões seus e os recursos de inteligência incorporados nos níveis superiores do governo em Washington, Londres, Paris, Berlim e dentro da hierarquia da ONU.

Até mesmo no estado vassalo dos Estados Unidos, o Afeganistão, está ansioso para se libertar das amarras da NATO e Washington, agora que alcançou o estatuto de observador na SCO. Comentários recentes pelo comandante da NATO no Afeganistão, U.S. Army Peter Fuller, a direção do governo afegão é desigual, desagradável e isolada da realidade, porque o presidente Hamid Karzai disse que Afeganistão lutaria do lado de Paquistão em uma possível guerra americana no Paquistão, o qual resultou na demissão de Fuller. Os comentários de Fuller também levou a que Hamid Karzai pedisse o estatuto de observador na SCO como uma resposta à agressão dos EUA contra o mundo muçulmano e a sua oposição à soberania palestina, que tem sido enfraquecida ao redor do mundo apesar da influência de Washington.

Outro país onde a CIA e o Pentágono têm seus agentes rastejando e rastejando, Mongólia, também é um observador da SCO. Há também os “parceiros de diálogo” no SCO – os países que provávelmente alcançarao posições de observadores na SCO no futuro. Os parceiros no diálogo são a Bielorrússia, Sri Lanka, e um outro que deve preocupar Tel Aviv e Washington, a Turquia, um membro da OTAN. Moscou e Ancara concordam que a Turquia deveria eventualmente tornar-se um membro da SCO. A Turquia tem estreitos laços históricos e culturais com os povos turcos da Ásia Central e muitas das repúblicas autônomas turcas da Rússia, incluindo Tuva, Bashkortostan e Adygeya.

A Turquia está cansada da interferência de Israel em seus assuntos internos e externos, como evidenciado pelo sangrento ataque israelense ao navio turco de ajuda a Gaza, a Marmara Mavi, com o apoio do Mossad e os ataques terroristas do PKK curdo na Turquia e a rede israelense Ergenekon na Turquia.

Irã viu o aliado secreto de Israel, Arábia Saudita, nomeando o ex-chefe de inteligência egípcio e amigo de Netanyahu, Omar Suleiman, como um conselheiro para a coroa da Arábia e seu príncipe Nayef bin Abdul Aziz al-Saud, que também é ministro do Interior. O eixo Jerusalém-Riyadh foi reforçado quando a administração Obama mudou 4.000 soldados do Iraque ao Kuwait para reforçar outros ativos militares dos EUA em Bahrain – casa da Quinta Frota dos EUA -, Qatar nos Emirados Árabes Unidos e Omã. A CIA e o Pentágono estabeleceram a base de drones Predator em Djibuti, Seychelles, Etiópia, e, aparentemente, a Arábia Saudita.

O presidente eleito do Quirguistão, o primeiro-ministro Almazbek Atambaev, anunciou que quer que os EUA e NATO saiam da base aérea de Manas no seu país depois que o contrato atual expire em 2014. Enquanto isso, uma organização não-governamental financiada por George Soros no Quirguistão está tentando sugerir que sob a nova Constituição do Quirguistão, Atambaev não têm autoridade para fechar a base. É este tipo de interferência dos EUA nos assuntos das nações da Ásia, que causou a expansão da SCO para incluir duas nações que têm recebido ameaças militares diretas dos EUA: Irã e Paquistão. A suspeita de intenções dos EUA e os planos militares também fizeram que Washington pedisse para aderir-se à SCO como um parceiro de “diálogo”. Mas o interesse de Washington para participar da cúpula da SCO como um “parceiro”, diz mais sobre a incapacidade da CIA para se infiltrar no funcionamento interno da SCO, incluindo pelos seus ex-“aliados” como o Afeganistão, Paquistão e Mongólia que o desejo de “diálogo” com os membros da SCO e os observadores. Afinal, AIPAC e seus asseclas colocaram na Casa dos Representantes de EUA um projeto de lei que proíbe qualquer contato entre diplomatas dos EUA e Teerã.

O presidente Obama está sob uma enorme pressão do lobby de Israel em um ano eleitoral para apoiar um ataque militar israelense contra o Irã, um movimento que levará inevitavelmente ao Exército de EUA à região do Golfo durante a guerra contra o Irã em nome do regime de Tel Aviv / Jerusalém ocidental. No G-20, em Cannes, o presidente francês Nicolas Sarkozy foi escutado dizendo a Obama: “Eu não suporto o Netanyahu. Ele é um mentiroso.” Ao que Obama respondeu: “Você está cansado? Eu tenho que lidar com ele todos os dias. ”

O intercâmbio entre Sarkozy e Obama é instrutivo. Obama não discordou que Netanyahu é um mentiroso e que fará e dirá qualquer coisa para defender os interesses sionistas de Israel acima de tudo, até mesmo ao ponto de mentir sobre uma falsa ameaça de armas nucleares iranianas para promover um ataque militar contra o Irã.

Israel, com seus agentes de influência nas delegações das Nações Unidas dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha, Canadá, Suécia e Holanda, asegurou-se que o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano manchasse o relatório da agência com informações falsas sobre o programa nuclear iraniano de uma forma que nunca teria sido tolerado pelo seu antecessor, Mohammed ElBaradei. Amano certamente não está interessado no fato de que sua própria nação, Japão, secretamente produzia armas nucleares no complexo nuclear de Fukushima, em violação das regras da AIEA. As consequências do terremoto destruidor no Japão expôs o secreto de criação de armas nucleares realizado em Fukushima. Amano está perfeitamente dispostos a agir como uma ferramenta de Israel e do lobby de Israel na “descoberta” de violações das regras da AIEA pelo Irã.

O Boletim de Cientistas Atômicos, o ‘relógio do Juízo Final’, que mede o quão perto o mundo está de uma guerra nuclear, encontra-se seis minutos para meia-noite. Com as maquinações de Israel ao Irã, a crise dentro da equipe da Casa Branca com a demissão do chefe de gabinete de Obama Bill Daley, e o convite da SCO para o Irã ficar sob o guarda-chuva de proteção e segurança da Rússia e da China, o relógio avançou alguns minutos a mais para meia-noite.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You May Also Like

The middle class that vanished

  One of the giants of the South experiences the highest rates…

The TB pandemic that nobody sees, but that kills millions a year

  31.8 million people will have died by 2030 if tuberculosis is…