Os Estados Dopados da América

Todos os dias, mais bebês americanos são ameaçados por envenenamento e a toxicodependência subseqüente.

Adaptação Luis R. Miranda
RT.com
1 de agosto de 2011

Parece que a tendência para a dependência de drogas de prescrição não têm diferenças geracionais.

Um novo relatório publicado pelo Escritório de Política de Controle de Drogas da Casa Branca revela que não só o abuso de drogas de prescrição tem o crescimento mais rápido nos EUA, mas que mais crianças nascem já “viciadas” em esses produtos farmacêuticos.

No estado da Flórida, as mortes por overdose de medicamentos prescritos aumentaram mais de 250 por cento em menos de uma década. Ainda mais alarmante, porém, é o número de crianças no Estado que nascem viciadas. Registros de saúde mostram que 635 crianças nasceram viciadas em drogas de prescrição apenas no primeiro semestre de 2010.

“Eles sofrem sintómas de vício”, diz Maria Osuch, enfermeira chefe da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de Broward General Medical Center. “Eles incluem caimbras, e o impacto que as sogrem faz suas vidas e sua saúde miseráveis. Eles suam. Eles podem ter respiração rápida. Às vezes, eles podem até ter convulsões. “

As últimas estatísticas publicadas pelo IMS notam que 80 por cento dos usuários e abusadores de analgésicos no mundo provêm dos Estados Unidos. O Centro de Controle de Doenças diz que analgésicos têm superado as drogas ilegais como a causa de mortes por overdose nos últimos anos.

Marsha Currant, do Centro de Recuperacao Susan B. Anthony, que é perto de Fort Lauderdale, FL, diz que ella percebe o aumento do número de mulheres grávidas em suas instalações que vêm com o vício de prescrição a pílulas. “No princípio era realmente 100% viciadas em cocaína”, diz ela, mas observa que agora existem mais casos adicao a medicamentos prescritos, tais como analgesicos.

No início deste ano, a Procuradora Geral da Florida, Pam Bondi, revelou que muitas mulheres grávidas na Flórida não estão cientes de que drogas como a Oxicodona e Xanax podem causar complicações na gravidez e impactar negativamente a vida de suas crianças por nascer. Juntamente com o presidente do Senado da Florida, Mike Haridopolos, Bondi se reuniu com autoridades de saúde em maio para discutir o problema.

“Temos que acabar com isso,” Bondi disse ao jornal Miami Herald em maio deste ano. Eles observam que no Hospital da Mulher em Tampa, Florida, até 20 por cento dos bebês internados na unidade de terapia intensiva neonatal foram tratados pela sua dependência.

Dados estaduais revelan que o número de criancas dependentes em 2010 chegou a cerca de 1.300 recém-nascidos.

 

Los Estados Dopados de América

Todos los días más estadounidenses recién nacidos sufren la amenaza de intoxicación y la consiguiente adicción a los farmacéuticos.

Adaptación Luis R. Miranda
RT.com
1 de Agosto, 2011

Parece que la tendencia a la adicción a las drogas con receta no tiene diferencias generacionales.

Un nuevo informe publicado por la Oficina sobre la Política de Control de Drogas de la Casa Branca revela que no sólo es el abuso de narcóticos de prescripción el que tiene más rápido crecimiento en Estados Unidos, sino que más y más niños están naciendo ya ‘enganchado’ a estos farmacéuticos.

En el estado de la Florida solamente, las muertes por sobredosis de farmacéuticos prescritos han aumentado más del 250 por ciento en menos de una década. Aún más alarmante, sin embargo, es el número de niños en el Estado del Sol que nacen adictos. Los registros estatales de salud muestran que 635 niños nacieron ya adictos a las drogas de prescripción sólo en el primer semestre de 2010.

“Ellos sufren los síntomas de la adicción,” dice María Osuch, jefa de enfermeras en la Unidad Neonatal de Cuidados Intensivos de Broward General Medical Center. “Ellos incluyen calambres, y el impacto hace que los niños tengan una salud miserable. Ellos sudan. Pueden tener una respiración rápida. A veces, incluso pueden tener convulsiones “.

Las estadísticas más recientes publicadas por IMS notan que el 80 por ciento de los usuarios y abusadores de analgésicos en el mundo provienen de Estados Unidos. Los Centros para el Control de Enfermedades añade que los analgésicos han superado las drogas ilegales como la causa de muertes por sobredosis en los últimos años.

Marsha Currant del Centro Susan B. Anthony de Recuperación que queda cerca de Fort Lauderdale, FL, dice que nota el aumento en el número de mujeres embarazadas en sus instalaciones que llegan con adicción a las píldoras de prescripción. “En el principio, era realmente 100% adicción a la cocaína”, dice ella, pero señala que ahora es más casos de drogas de prescripción.

A principios de este año, el Procurador General de Florida Pam Bondi reveló que muchas mujeres embarazadas en la Florida no son conscientes de que las drogas como la oxicodona y Xanax puede causar complicaciones en el embarazo e impactar negativamente las vidas de sus hijos por nacer. Junto con el presidente del Senado de la Florida Mike Haridopolos, Bondi se reunió con funcionarios de salud en mayo para discutir el problema.

“Tenemos que detener esto”, dijo Bondi al Herald Miami en mayo de este año. Señalan que en el Hospital de Mujeres de San José en Tampa, Florida, hasta el 20 por ciento de los bebés ingresados en la unidad de cuidados intensivos neonatales fueron tratados durante por adicción.

A nivel estatal, la cifra en 2010 fue de cerca de 1.300 recién nacidos.

The Doped States of America

Everyday more American newborns suffer the threat of intoxication and the consequent withdrawal from painkillers.

RT.com
July 30, 2011

It looks like the penchant for prescription drug addiction`doesn’t skip a generation.

A new report issued by the White House Office on Drug Control Policy reveals that not only is prescription narcotic abuse the fastest growing drug problem in America, but more and more children are being born already hooked.

In the state of Florida alone, prescription drug overdose deaths are up more than 250 percent in less than a decade. Even more alarming, however, is the number of children in the Sunshine State being born as juvenile junkies. State health records show that 635 children were born already hooked on prescription drugs in only the first half of 2010.

“They go through withdrawal symptoms,” Mary Osuch, head nurse at Broward General Medical Center’s neonatal intensive care unit, tells CNN. “They’re crampy, miserable. They sweat. They can have rapid breathing. Sometimes, they can even have seizures.”

Recent statistics released by IMS note that 80 percent of the world’s prescription painkiller users and abusers come out of America. The Centers for Disease Control adds that prescription painkillers have surpassed hard drugs as the cause of fatal overdoses in recent years.

Marsha Currant of the Susan B. Anthony Recovery Center near Fort Lauderdale, FL says she notices the increase in pregnant woman coming into her facility with addiction to prescription pills. “In the very beginning, it was really 100% crack cocaine,” she says, but notes that now it is more prescription drug cases.

Earlier this year, Florida Attorney General Pam Bondi revealed that many expecting mothers in Florida are unaware that drugs like oxycodone and Xanax could cause complications in their pregnancies and impact the lives of their unborn children. Along with Florida Senate President Mike Haridopolos, Bondi met with health care officials back in May to discuss the problem.

“We’ve got to stop this,” Bondi told the Miami Herlad in May of this year. They note that at St. Joseph’s Women’s Hospital in Tampa, FL, up to 20 percent of the babies admitted to the neonatal intensive care unit were treated for withdrawal.

Statewide, that figure in 2010 was closer to 1,300 newborns.

Genocídio Genético: Engenharia Genética Ameaça… a Vida

A engenharia genética não é nova. Aparentemente, ela tem sido discutida, se não aplicada, desde 1960. O problema com a modificação genética de plantas, animais, plantas e animais, clonagem e fusão de genes não é sua existência. É o resultado dessas práticas não regulamentadas que deve alarmar-nos.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
29 de julho de 2011

Se você for parcial ou totalmente ignorante sobre os produtos transgénicos, não o culpo. Em 15 anos de pesquisa não consegui obter uma compreensão significativa do que a engenharia genética de seres humanos, peixes, soja, milho, leite e outros produtos pode significar para a humanidade.

Quando comecei a escrever, o meu primeiro desafio foi como apresentar a informação de forma concisa, mas atraente o suficiente para acordar as pessoas que ainda acreditam que a clonagem de humanos e animais para a remoção de órgãos, fundindo genes humanos e animais e fabricando alimentos a partir de DNA ou tecidos humanos é ficção científica.

Pensei então, que o mais atraente para começar era simplesmente fornecer algumas manchetes de alguns dos itens e documentos que encontrei durante meu processo de pesquisa, para que os leitores tenham uma idéia imediata do que a engenharia genética realmente significa e como isso afeta diretamente agora e como lhes afetara no futuro. A publicação dos titulares também vai facilitar a pesquisa para você e lhe dar a oportunidade de fazer suas próprias pesquisas.

Então vamos ver o que nos é dito pelos proprietários.

Por que o futuro não precisa de nós?

Novas diretrizes federais permitem a criação de quimeras homem-animal

Perigos dos alimentos geneticamente modificados incluem baixa fertilidade, lesões de órgãos e distúrbios hormonais.

Cabras transgênicas mostram o rumo para o futuro

Fusão de Genes de cabras e aranhas produzem “tecido” estranho

Peixes transgénicos podem ameaçar populações selvagens

“Gene de Tróia” poderia acabar com os peixes

Quimeras, Híbridos e clonagem humano-animal

Produção de frangos transgênicos usando células mediadas da medula óssea

Parte Monstros Humanos / Parte híbridos: Animais estão sendo criados por cientistas ao redor do globo
Clone Coelho-humano anunciado sem narizes frias

O caso de uso de Contracepção Imunológica para o controle de natalidade

Endosulfan e Alterações Endócrinas: Caracterização do Risco Humano

19 Estudos Apontam Alimentos GM como Responsáveis de Disfunção de Orgãos

Pesticidas criados geneticamente ligados a defeitos de nascimento, deficiência de hormônios masculinos, e Câncer

Além de ser comparado a “brincar de Deus” engenharia genética, literalmente enfraquece os blocos de construção da vida, e como prática funciona sem qualquer regulamentação. Além disso, há iniciativas para promover a desregulamentação e a criação de legislação para dispensar a supervisão de engenharia genética inteira. A minha pergunta sobre a desregulamentação da engenharia genética foi então: E se os cientistas que têm quantias ilimitadas de dinheiro e recursos não têm nenhuma responsabilidade legal por suas experiências em clonagem humana ou a criação e manipulação novas espécies?

A última vez que um grupo de cientistas recebeu fundos e recursos ilimitados, eles conseguiram criar coisas como a bomba atômica, bomba de hidrogênio, e agora estão tentando imitar a origem do universo com o infame SuperCollider. Todos nós sabemos o que aconteceu quando empresas e governos sem a devida supervisão usaram as duas primeiras tecnologias.

Quando você pensa sobre os organismos geneticamente modificados, é sempre tentador acreditar que esses organismos são criados e são objecto de experiências só nos países industrializados em laboratórios de alta tecnologia que estão disponíveis. Talvez você pense que somente são realizados em laboratórios de pesquisa de propriedade de empresas farmacêuticas ou de universidades públicas e privadas. O que você pensaria se eu lhe dissesse que a clonagem de seres humanos e animais, por exemplo, acontece em Costa Rica, e que esta prática foi levada a cabo pelo menos uma década? Foi relatado no Washington Post, e o artigo descreve a discussão sobre a clonagem humana entre os cientistas:

“Durante uma reunião recente, os cientistas discordaram sobre questões básicas como saber se seria antiético de um embrião humano para começar o seu desenvolvimento no útero de um animal, e se um rato seria melhor ou pior, com um cérebro feito de neurônios humanos .. “

Assim, centenas de empresas e governos são livres para conduzir experimentos genéticos em milhares de laboratórios misturando espécies diferentes, e são completamente livres para colocá-los no fornecimento de comida e água no planeta, sem supervisão. Essa é a conclusão da situação que enfrentamos agora.

Evidência de Engenharia Genética, Clonagem e Fusão Gênica

Se você não pode ou não quer entrar na pesquisa pesada, eu estou prestes a dar um relatório detalhado sobre o estado da engenharia genética, clonagem de seres humanos e animais e a fusão de genes.

Vamos começar com, possivelmente, o mais preocupante, mas não o fato mais recente. Alguns cientistas estão fundindo genes de humanos e animais para promover o crescimento de clones humanos no estômago das vacas. Seres humanos clonados e animais são submetidos a esses processos de modo que eles são “fábricas farmacêuticas vivas através da produção de substâncias farmacêuticas valiosas em seu leite, ou como fábricas de órgãos porque os seus órgãos ou sangue não será rejeitada pelo sistema imunológico humano“.

A razão para a clonagem de seres humanos e animais e a fusão genética dos genes é freqüentemente apontada como uma solução para muitos problemas pela sua alegado “conveniência”. Claro, existe a necessidade de encontrar uma cura para todas as doenças e ter órgãos disponíveis quando as pessoas destroem seus próprios órgãos depois de fumar por 40 anos ou beber seus fundos de pensão até o fim. Não seria conveniente ter um banco de órgãos, ou uma cura para o câncer de pulmão e estômago? Quem poderia opor-se à produção de fetos humanos no útero de animais, ou a remoção de órgãos de animais ou outros seres humanos para substituir os nossos? Conveniente, não? Não.

Em uma fazenda perto de Reno Nevada, um fazendeiro cria ovelhas que têm fígados, corações e cérebros humanos nelas, entre outros. O “cientista” que está a cargo do experimento disse que não podia esperar para ver o efeito que teriam as células humanas no cérebro do animal. Ele tinha injetado os genes nas ovelhas. De acordo com o relatório da Associated Press, essas experiências são abrangidas as novas diretrizes éticas que regem o tipo de “pesquisa científica” feito na fazenda.

Em um artigo de 19 de junho de 2011, The Telegraph de Londres anuncia que os porcos são agora capazes de hospedar órgãos de outras espécies pois os cientistas descobriram que podem criar animais quiméricos com órgãos que pertencem a uma outra espécie ao injetar células-tronco no embrião de outra espécie. Outro artigo no Daily Mail anuncia como porcos servem como fazendas de órgãos humanos. “Órgãos humanos podem ser cultivados em suínos para uso em operações de transplante após uma pesquisa pioneira.” Então foi lançada uma campanha publicitária baseada em conveniência, dizendo que “o método poderia ajudar a reduzir o risco do órgão transplantado fosse rejeitado. “Tais experiências também permitem que o sangue animal para transfusão seja usado sempre que um paciente necessita. Portanto, o clone será colhida por seus órgãos e as pessoas vão ter peças geneticamente modificadas disponíveis quando necessário.

A publicação The New Atlantic até se atreveu a perguntar por que não seria uma boa idéia usar úteros artificiais. O artigo afirma que células humanas e / ou animais ou seus próprios genes para esses fins é um relativamente novo e imperfeito. É provável que o autor ignore esse tipo de manipulação genética tem sido discutido, se não aplicado, a partir de meados da década de 1960. Então não há nada de novo aqui.

O Plano atrás da Engenharia Genética Humana e de Alimentos

Um aspecto muitas vezes esquecido no debate sobre a clonagem humana e a engenharia genética, é o objetivo, ou objetivos reais que esta prática tem. Porque acredite em mim, não importa quão conveniente possa parecer, ela não é para ajudar os seres humanos a viver uma vida longa e saudável. Empresas e universidades financiadas com dinheiro dos contribuintes estão investigando como criar e melhorar técnicas que beneficiem a vida humana, porque aqueles que irão implementar essas tecnologias têm a intenção de governar um mundo sem seres humanos. Será que isto parece uma loucura? O artigo no The New Atlantic tenta ser positivo sobre essas experiências e relacioná-los para uma melhor, mais saudável humanidade. “Hoje, temos avançado um pouco, mas apenas ligeiramente, em direção ao aperfeiçoamento da tecnologia, que permitiria atingir a visão de Haldane, embora por razões diferentes da melhora da raça.” O problema é que é exatamente alí onde se originaram experiências genéticas humanas e é por isso que ainda estão acontecendo. Se o futuro não precisa de seres humanos para inventar, projetar, construir, reparar ou reproduzir-se, para que o mundo precisa dos seres humanos? Imitando os poderes reprodutivos humanos, como o autor de The New Atlantic diz, é chamado “ectogênese” e tem sido tentado por séculos.

“Em vez de gastar todo o talento científico e recursos no desenvolvimento de úteros artificiais”, escreveu o correspondente da ciência para a Reason, Ronald Bailey, “Eu suspeito que será muito mais fácil e mais barato criar embriões humanos em gestações com outros mamíferos, como vacas e cavalos, do que fazer o mesmo com úteros artificiais.”

Embora a tecnologia moderna permite todos os tipos de experimentos na medicina, alimentos, água e ar, a meta geral não é e ajudar a humanidade a expandir sua presença neste planeta. A maioria dos artigos que encontrei na minha pesquisa tem todos os tipos de cenários em que a engenharia genética é aplicada a nosso favor. De cabras aranha a leite humana produzida por vacas, salmão, soja e milho GM, as aplicações são infinitas. Uma das respostas mais comuns quando as pessoas pró transgênicos sao questionadas sobre os perigos de brincar com a vida é que esta tecnologia pode ajudar a alimentar os famintos e melhorar a vida dos pobres.

Mas, na prática, todos e cada um destes métodos geralmente rotulados extensores de vida, como vemos agora com os eletrônicos, apenas causam a degeneração da espécie humana. Por conveniência, promessas vazias e do que poderia acontecer, aqueles que são autorizados por sua riqueza e poder político querem usar nosso próprio DNA para acabar com a vida humana como a conhecemos.

Em um artigo intitulado Por que o Futuro Não Precisa de Nós? a Revista Wired explora a possibilidade de que os seres humanos se tornem uma espécie em extinção porque as tecnologias tornam as pessoas em consumidores inúteis, como alguns globalistas têm chamado a humanidade. Os seres humanos “escolhidos” para realmente tirar partido da mais recente tecnologia iram se fundir com robôs ou serão robôs, no que será o próximo nível de criaturas conscientes. Como Ray Kurzweil, inventor da primeira máquina de leitura para cegos escreve em seu livro The Age of Spiritual Machines, os seres humanos estão mais próximos da imortalidade com o uso de tecnologia robótica. Mas o que acontecerá com o resto de nós, nossos filhos e netos que virão depois de nós?

Qual é a Ameaça da Engenharia Genética?

Em suma, a loucura fora do controle da ciência moderna e da biotecnologia significa o genocídio genético. Dependendo de onde você obtem informação, cientistas e pesquisadores concordam em que o denominador comum das formas de engenharia genética é o fim das formas de vida atuais. Segundo o pesquisador Jeffrey Smith, quando animais de laboratório foram alimentados com organismos geneticamente modificados, o resultado foi esterilização completa. A esterilização que em alguns casos aconteceu na segunda e terceira geração, tambem aconteceu ao longo das vidas dos sujeitos estudados.

William Muir e Richard Howard, da Universidade Purdue, Indiana, alertaram sobre um “gene de Tróia” nos peixes transgénicos, que poderiam destruir as formas naturais destes peixes em todo o mundo se os peixes geneticamente modificados são soltos na natureza ou fogem das fazendas. “Isso se parece com o cavalo de Tróia”, disse Muir. “Ele vem como uma coisa boa e acaba por destruir a população.” Ambos Muir e Howard estudaram o uso de hormônios de crescimento humano em peixes, que agora é usado em experimentos de laboratório com salmão para crescer mais rápido, enquanto come menos alimentos. Os pesquisadores descobriram que os peixes geneticamente modificados desenvolveram a maturidade sexual mais rápido do que o resto e produziu mais ovos. De acordo com uma reportagem da BBC, Professor Muir diz que peixes transgénicos “iriam desfrutar dos mesmos benefícios em uma reprodução natural, de modo que o gene hGH se espalharia rapidamente através de uma população de peixes.”

O hormônio de crescimento humano (hGH) é também colocado no alimento dado para o gado e outros animais que os humanos consomem mais tarde. Coincidentemente, os seres humanos masculinos e femininos têm experimentado um desenvolvimento físico prematuro, com as meninas atingindo a puberdade em idades mais jovens, enquanto as crianças masculinas sofreram alterações hormonais que muitos pesquisadores associam à feminização da maior parte dos machos humanos.

Outros estudos mostram que o consumo de organismos geneticamente modificados resulta em problemas como baixa fertilidade, lesões de órgãos e distúrbios hormonais. Este último é especialmente importante porque é através das mudanças hormonais que alguns cientistas descobriram como e por que alguns homens estão começando a perder o interesse no acasalamento e algumas mulheres escolhem parceiras do mesmo sexo ao invés de homens. No estudo intitulado: “A comparação dos efeitos de três variedades de milho GM na saúde de mamíferos,” o International Journal of Biological Sciences concluiu que o milho Bt da Monsanto contribui para a insuficiência hepática. Todos os tipos de milho desenvolvidos pela Monsanto (MON 863, MON 810 e NK 603) tem sido aprovados pela FDA e rotulados como seguros para consumo humano nos Estados Unidos e Europa.

Outros estudos avaliando o uso de pesticidas revelaram que essas substâncias químicas causaram desregulação endócrina. Ingredientes como o glifosato utilizado em Roundup, causam defeitos congênitos em animais. Defeitos de nascimento são chamados ciclopia, ou o aparecimento de um único olho no meio da testa. Além disso, o glifosato provoca natimortos e abortos.

Um estudo realizado na Argentina, confirmou o que estudos anteriores já haviam mostrado sobre as conseqüências da ingestão de produtos contaminados com pesticidas e herbicidas. Andres Carrasco, diretor do Laboratório de Embriologia molecular na Universidade de Buenos Aires, apresentou um relatório que explica como o Roundup da Monsanto é o responsável por causar a infertilidade, a destruição dos espermatozóides e câncer. Carrasco testou os efeitos do glifosato em embriões animais e constatou que o produto químico altera e compromete o desenvolvimento embrionário. “Eu não descobri nada de novo”, disse Carrasco, “Eu só confirmei o que outros cientistas descobriram … A evidência científica e, sobretudo, centenas de pessoas afetadas são a prova viva desta emergência de saúde pública.”

Recentemente, o Daily Mail do Reino Unido informou sobre como os cientistas da Inglaterra estão fazendo experiências com clones que são metade homem e metade animal e como estes experimentos foram mantidos em segredo. “A revelação vem apenas um dia depois que um comitê de cientistas alertou para um cenário semelhante ao “Planeta dos Macacos”, um pesadelo em que o trabalho com clones de humanos e animais vai longe demais”, diz o artigo.

Mas a bolacha mais difícil de mastigar não é nenhum desses exemplos de manipulação humana, animal ou planta que mostrei. Como mencionado anteriormente, nada de bom vem quando as corporações, governos e cientistas que estão sob seu controle e / ou que são pagos por estas duas entidades são livres para fazer o que querem. A questão então migra para armas biológicas. Durante o último século, pelo menos, os governos em parceria com a indústria da biotecnologia começaram um movimento para produzir armas biológicas que foram projetadas especificamente para certas raças. Essas armas seriam utilizadas como armas biológicas para matar populações inimigas. Mas, quais são as chances de que armas biológicas sejam utilizadas em todos nós? Quase as mesmas chances de que os organismos geneticamente modificados cheguem ao abastecimento de alimentos e água. Em outras palavras, é muito provável. Como o link acima exemplifica, ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen, descreveu o que ele pensava que era a ameaça representada por alguns países que tentavam desenvolver “certos tipos de patógenos”, que foram criados especificamente para certos grupos étnicos.

O infame documento intitulado Reconstruindo as Defesas da América: Estratégia, Forças e Recursos descreve como o estabelecimento pode tentar desenvolver “formas avançadas de agentes biológicos que possam direcionar-se a genótipos específicos … transformando a guerra biológica em uma ferramenta útil politicamente.” Não há uma doença humana ou animal que você conheça, que o Estabelecimento não tenha pensado usar como arma biológica. Febre hemorrágica e Ebola são duas das mais conhecidas armas biológicas, que naturalmente foram testadas primeiro em animais.

Além de armas biológicas, a mais mundana engenharia genética que é apresentada como um avanço que beneficia a humanidade, de repente se volta contra seus criadores. Essas pequenas modificações feitas aos genes humanos, animais e plantas estão escoando fora do controle humano e misturando com outras espécies. Conforme relatado no GM.org, cientistas da Universidade de Bristol anunciaram a descoberta de uma rota, na qual os genes geneticamente modificados “saltam” para outras espécies e invadem o ambiente. Esta invasão, dizem os cientistas, poderia vir na forma de infecção ou de proliferação, não importa quais as barreiras existentes entre as espécies.

Então, não interessa se é de mutação natural ou infecção derivada de experiências realizadas por cientistas que “brincar de Deus”, os seres humanos estão ameaçados pelas criações genéticas e armas biológicas que podem ser direcionadas para raças ou etnias especificas. Escolha o seu veneno. De qualquer forma, estas duas formas são e serão geneticamente modificadas.

Genes em alimentos geneticamente modificados e outros produtos químicos são a fonte da maioria das alergias. Enquanto isso, os governos lutam ao lado das empresas farmacêuticas e químicas para proibir qualquer tipo de rotulagem dos ingredientes transgênicos nos alimentos. A maioria das pessoas nem sequer sabem que a carne que comem vem de um touro clonado ou duas ou mais espécies, ou que o leite que bebem é de uma vaca clonada. Como poderiam saber? Não há nenhum rótulo!

O número de pessoas infectadas com doenças raras, como câncer, diabetes, autismo, alergias e outros problemas de saúde estão subindo rapidamente, e isso não tem uma outra origem do que o jogo de roleta russa conduzida por cientistas loucos que são suportados por uma classe dominante fora de controle. As mesmas pessoas que experimentaram em crianças dando-lhes poliomielite e sífilis, o mesmo Estabelecimento que fabrica Ebola que se espalha pelo ar e financia abortos na China, os que disseram que planejamento familiar é a melhor ferramenta para a independência das mulheres são as mesmas pessoas que, em sua busca louca pela imortalidade estão colocando em risco nossa própria existência.

Isso é o que sabemos sobre a ameaça que a engenharia genética representa para os seres humanos. Pelo menos é o que eu sei. Você pode imaginar o que não sabemos?

Materiais consultados:

Life Magazine. Control of Life. 1965.

Wired Magazine. Why the Future Doesn’t Need Us. April 2000.

Organic Consumers Association. New Federal Guidelines Will Allow Creation of Human-Animals Chimeras. April 27, 2005.

Natural Living 360. GM Food Dangers Include: Low Fertility, Organ Damage and Hormone Disruption. May 30, 2011.

GMO.org. Scientists Discover New Route For GM Genes To Jump Species. March 4, 2011.

BBC. GM goat spins web based future. August 21, 2000.

The Telegraph. ‘Spider-goats’ start work on wonder web. Jan 18, 2002.

Purdue University News. Transgenic fish could threaten wild populations. April 2000.

BBC. ‘Trojan gene’ could wipe out fish. December 1, 1999.

Infowars. Chimeras, Cloning and Freak Human-Animal Hybrids. November 23, 2004.

Laboratory Investigation. Bone marrow cell-mediated production of transgenic chickens. April 25, 2011.

The American Dream. Part Human/Part Animal Hybrid Monsters Are Being Created By Scientists All Over The Planet.

Natural News. Phthalate warning: Medications contain chemicals that “feminize” unborn baby boys. November 17, 2009.

ABI. Human-rabbit clone announced and no noses twitch. August 26, 2003.

Lisa K. Chambers, Malcolm A. Lawson and Lyn A. Hinds. The Case for Fertility Control Using Immunocontraception.

Laura M. Plunkett, Ph.D., DABT Integrative Biostrategies, LLC. Endosulfan and Endocrine Disruption: Human Risk Characterization. June 23, 2008.

Dr.Mercola. 19 Studies Link GMO Foods to Organ Disruption. April 27, 2011

Dr. Leonard Coldwell. GMO Pesticides linked to birth defects, disruption of male hormones, cancer. April 28, 2011.

NPR. Cloned Beef: It’s What’s for Dinner? January 16, 2008.

Consumer Affair. Genetically Engineered Foods May Cause Rising Food Allergies. June 8, 2007

Pentagon to Use Genetic Code to Identify Perfect Soldier?

by Joe Wolverton, II
The New American
January 24, 2011

Old soldiers never die, they just pass on their genetic code?

A report issued by a defense science advisory panel suggests that the Pentagon may begin collecting DNA from military personnel to identify the genome sequence that defines a good soldier. Findings reported by JASON, an independent group of scientists which advises the U.S. government on matters of science and technology, recommends that the Pentagon take advantage of “the rapidly falling cost of gene sequencing by preparing to engage in the mass sequencing of the genomes” of the men and women of the armed forces.

From the movie Captain America

The physicists, biologists, chemists, oceanographers, mathematicians, and computer scientists that comprise the JASON project, point out that the Department of Defense and the Department of Veterans Affairs (VA) have access to an untapped source of valuable genetic information and are “uniquely positioned to make great advances” in the science of genetic research in this crucial field. Specifically mentioned are the decades of archived medical records and DNA samples already on file at the VA.

A commentary on the report published by the ACLU claims:

Specifically, the report recommends that the Pentagon begin collecting [and] sequencing soldiers’ DNA for “diagnostic and predictive applications.” It recommends that the military begin seeking correlations between soldiers’ genotypes and phenotypes (outward characteristics) “of relevance to the military” in order to correlate the two. And the report says — without offering details — that both “offensive and defensive military operations” could be affected.

The privacy concerns of such a program are obvious. The threshold question that the Pentagon would have to answer would be whether the collection of such samples (whether archival, contemporary, or future) presents a thorny legal problem in that the blood or other substances derived from the body of subjects is the property of that subject and therefore protected by the Constitution’s prohibition on the deprivation of life, liberty, or property without the due process of law.

Congress has legislated in this general area. In 2008, Congress passed the Genetic Information Nondiscrimination Act (GINA), which prohibits group health plans and health insurers from denying coverage to a healthy individual or charging that person higher premiums based solely on a person’s genetic predisposition to the possible of development of disease. The law also bars employers from using individuals’ genetic information when making personnel decisions.

While GINA does not apply to the military, it is certainly an indication of the opposition any similar use of genome sequences would face in Congress were the Defense Department to attempt such a project.

Regardless of whether the DoD makes such use of the DNA of soldiers, airmen, and marines, there is no doubt as to the surprising amount of such data already under the control of the Pentagon.

As reported in an article published in the American Journal of Human Genetics:

Currently, DoD collects and uses the genetic information of service members in several ways. All U.S. service members, including active duty and reserve military personnel, must provide a DNA sample that may be used to identify their remains should they die in battle (see Armed Forces Institute of Pathology database online). These samples are housed in the Armed Forces Repository of Specimen Samples for the Identification of Remains. As of 2002, the United States military’s DNA repository contained 3.2 million samples.

Inarguably, the accurate identification of battlefield casualties is an appropriate use of DNA material; however, the use of that very personal data as a sample for compiling the specific genetic code of the perfect soldier is much more controversial for a few reasons.

First, there is the question of how the Pentagon would use the identification of the sequence. Would this or that recruit be placed in the infantry rather than in a support billet based solely on his genetic code?

Second, there is the irrefutable scientific fact that a person’s genetic code is only one factor is his behavior. Apart from DNA, there are cultural, education, and other influences that also affect the way a person reacts to his surroundings and to the challenges he faces.

The ACLU article makes a good point regarding the potential abuses latent in such a controversial project:

If the Pentagon has strong, nonspeculative reasons to believe that genetic research could help military effectiveness, or if it wants to make use of genetics to help with medical care just like the rest of the medical world, then let it operate in exactly the same way that civilian scientists would, under accepted scientific protocols, including meaningful informed consent, Institutional Review Boards, and other accepted standards of human-subject research.

Soldiers, having signed away many of their rights upon enlistment, should not be used for research that would not otherwise comport with our values, just because they are conveniently available.

Perhaps the most alarming aspect of this report and the suggestions made therein is the uses to which this data could be put by a government intent on singling out a particular group from among its citizens. As has been chronicled many times by The New American, the government of the United Kingdom has amassed a database that is the most extensive in any developed nation. The database was established in 1995 and is the world’s largest. It contains the DNA material of over five million Britons, a figure that represents 8 percent of the population of England and Wales. The recording system was initially developed ostensibly to aid the police in the investigation of crime scenes and function as a “vital crime-fighting tool” in tracking down elusive offenders.

Should the government of the United States or any agency thereof begin cataloging the DNA of military servicemen, the balkanization of Americans may be accomplished not just by ethnicity, but also by one’s genetic predisposition to accept the tyrannical abolition of freedom.

Related Links:

Togel178

Pedetogel

Sabatoto

Togel279

Togel158

Colok178

Novaslot88

Lain - lain

Partner Links