|Monday, July 22, 2019
You are here: Home » Português » A morte dos telefones inteligentes e o nascimento dos sistemas inteligentes

A morte dos telefones inteligentes e o nascimento dos sistemas inteligentes 


Smart systems

A queda nas vendas de smartphones não poderia vir em um momento pior, ou talvez em um momento melhor. Isso depende de quem você pergunta.

Em 2 de janeiro, o CEO da Apple, Tim Cook, anunciou uma queda nas vendas no último trimestre de 2018.

Aproximadamente 10 bilhões de dólares a menos do que o esperado. Alguns dias depois, a Samsung também revisou suas previsões de receita para a última parte do ano para uma queda de 11%.

Essa tendência tem pouco a ver com as lutas comerciais e muito a ver com a estagnação da inovação. Tanto a Apple quanto a Samsung ficaram sem ideias. O smartphone, como tal, atingiu o seu pico, como aconteceu com outras tecnologias.

Há muito pouco que as telas dobráveis ​​e os ecossistemas possam fazer para salvar o fato de que os consumidores não conseguem enxergar muito mais adiante quando se trata do que os smartphones podem fazer por eles.

São situações diferentes, mas ambas refletem uma crise geral no setor de smartphones, onde a competição entre a Apple e a Samsung não está mais no coração do sistema.

Outros fabricantes, especialmente empresas chinesas como Xiaomi, Huawei e Oppo, oferecem bons produtos a preços muito favoráveis, renunciando a lucros maiores. Eles podem fazê-lo graças a estruturas mais ágeis, incentivos fiscais e baixos custos de produção e pessoal.

Segundo Cook, a principal razão para o declínio estaria na chamada “Grande China”, China continental, na qual o colosso da Califórnia baseou parte de suas vendas e que reduziu significativamente suas compras de novos aparelhos.

As sanções impostas pelo governo do presidente Trump são perceptíveis na economia chinesa, tanto que a Apple decidiu reduzir a produção do iPhone em quase 10% nos primeiros três meses do ano que acaba de começar, mas isso não é a raiz da morte dos smartphones como as estrelas da revolução tecnológica

Além da guerra comercial sino-americana, as vendas de smartphones parecem sofrer outro problema mais geral: o mercado está saturado.

Entre 2007 e 2013, as vendas aumentaram enormemente, mesmo durante os anos mais difíceis da crise econômica. Seu crescimento ano após ano parecia irrefreável, com um frenesi na busca pelos modelos mais recentes e mais poderosos.

De 2015 a 2017, cerca de 1,4 bilhão de novos dispositivos vendidos em todo o mundo a cada ano. Em 2017, as vendas caíram pela primeira vez em comparação ao ano anterior.

Os dados do 2018 ainda não são definitivos, mas os sinais são negativos. Muitos mercados, dos Estados Unidos, atingiram o nível de saturação, com a maioria dos usuários satisfeitos com o antigo celular e sem a intenção de mudá-lo.

O mesmo parece ser o caso nos mercados emergentes. Índia, sudeste da Ásia, partes da África e América do Sul ainda não atingiram a saturação, mas os preços estão caindo devido à entrada de produtores que, por menos de US $200, oferecem bons celulares, com capacidade suficiente para as necessidades dos compradores.

Ao longo de 2018, a Apple permitiu que os proprietários de modelos mais antigos do iPhone substituíssem sua bateria por um preço particularmente vantajoso.

Assim, os consumidores optaram por pagar US $29 para ressuscitar seu antigo e querido celular, em vez de gastar mil em um novo.

Fazer coisas inteligentes, não possuir fones inteligentes

Passamos do conceito de smartphone para pequenos computadores que fazem muitas coisas inteligentes. Até certo ponto, uma pequena queda nas vendas é normal, mas eles serão substituídos rapidamente por outros dispositivos com maiores benefícios.

O problema é que, em muitos casos, mesmo quando novos modelos de smartphones objetivamente fazem mais e melhor, essas inovações não são mais consideradas tão relevantes pelos consumidores.

Por muitos anos, especialmente nos Estados Unidos e parte da Europa, os ciclos de vendas dos smartphones foram de dois anos. Essa tendência foi impulsionada pelas empresas de telefonia que a cada dois anos ofereciam a possibilidade de comprar modelos muito caros com prazos de 24 meses.

Hoje as coisas mudaram. Nos novos modelos, as novidades não são tão empolgantes que justifiquem a mudança a cada dois anos.

Nos Estados Unidos, a frequência de renovação dos smartphones passou de 20,6 para 24,1 meses. Na Europa, muitos mercados desaceleraram ainda mais, com os usuários mantendo o mesmo telefone por mais anos, até que finalmente deixavam de funcionar.

Em termos de inovação tecnológica, os ciclos contínuos substituíram os ciclos fechados. É verdade que os dispositivos duram mais e que as empresas lançarão novos modelos de negócios, mas não será uma mudança tão abrupta.

O setor se tornará semelhante ao do automóvel. Se alguém quebrar seu espelho lateral, o usuário não joga fora seu carro para comprar um novo; em vez disso, ele substitui ou repara o espelho.

Se você quebrar a tela do seu smartphone, não compre um novo, conserte-o.

Serviços e utilitários de software serão mais importantes que o próprio dispositivo

A Samsung conta com uma melhoria do setor graças à introdução de novos modelos compatíveis com redes 5G ou com recursos esperados, como telas dobráveis. Mas, além dos smartphones, há algo grande no horizonte.

Como o próprio Tim Cook apontou no início do ano, outros setores da empresa, como Mac, iPad, wearables, Home e Acessórios tiveram um crescimento combinado de 19% em um ano.

O Apple Watch é um negócio maior do que o iPod já foi. Esta é a verdadeira revolução, o lento declínio dos smartphones e a ascensão de todo o resto. Palestrantes, robôs, assistentes de voz, telas, relógios, roupas e assim por diante.

Os usuários precisarão de dispositivos capazes de aprender, que são onipresentes graças às redes móveis e que permitem imersões no ambiente graças às realidades estendidas.

Vamos parar de falar sobre smartphones para falar sobre dispositivos de propósito universal, computadores flexíveis superleves que podem ser incorporados em roupas.

Precisamos de algo que libere nossas mãos, porque agora, quando você usa seu celular, não pode fazer mais nada. Agora o importante é o que está dentro do aparelho, os serviços, além do dispositivo.

Many people like you read and support The Real Agenda News’ independent, journalism than ever before. Different from other news organisations, we keep our journalism accessible to all.

The Real Agenda News is independent. Our journalism is free from commercial, religious or political bias. No one edits our editor. No one steers our opinion. Editorial independence is what makes our journalism different at a time when factual, honest reporting is lacking elsewhere.

In exchange for this, we simply ask that you read, like and share all articles. This support enables us to keep working as we do.

About the author: Luis R. Miranda

Luis Miranda is an award-winning journalist and the Founder and Editor of The Real Agenda News. His career spans over 20 years and almost every form of news media. He writes about environmentalism, geopolitics, globalisation, health, corporate control of government, immigration and banking cartels. Luis has worked as a news reporter, On-air personality for Live news programs, script writer, producer and co-producer on broadcast news.

Add a Comment