BRICS Denunciam a Manipulação da Moeda |
Real Alternative. Real News.|Saturday, October 25, 2014
You are here: Home » Português » BRICS Denunciam a Manipulação da Moeda

BRICS Denunciam a Manipulação da Moeda 

POR LUIS R. MIRANDA | THE REAL AGENDA | 06 ABRIL 2012

Na mudança de poder que o mundo está enfrentando hoje, ambas as economias ricas e emergentes parecem que querem garantir grupos coesos com objetivos comuns. Enquanto o bloco anglo-saxão governou o mundo por mais de um século, as novas potências emergentes nas regiões subdesenvolvidas do mundo estão apostando na unidade pública para pressionar os governantes presentes.

Enquanto as nações dominantes da Europa e os Estados Unidos se escondem atrás dos resgates financeiros para evitar enfrentar o desastre bancário patrocinado pela crise da dívida, os BRICS querem mostrar ao mundo que existe uma outra maneira de fazer as coisas que pode ser mais benéfica para todos. Embora o nascimento dos BRICS, um grupo composto por China, Brasil, Rússia, África do Sul e Índia parece ser uma boa iniciativa para alcançar um equilíbrio econômico e talvez até mesmo político na luta pelo poder, a verdade é que os BRICS são um exemplo do que o império anglo-saxão era há 200 anos: Um grupo de líderes ou candidatos que não conseguem encontrar muito terreno comum para criar e aplicar políticas que melhorem as condições de vida de seu povo, mas que tomam o tempo para mostrar suas insignificantes recém-adquirida medalhas.

É fácil ver por que os BRICS são simplesmente mais do mesmo. No último comunicado emitido pelo grupo, os membros criticam os Estados Unidos e Europa pela sua manipulação do dólar e do euro. Esta critica valida, não estão a China e o Brasil fazendo o mesmo? Sim. China manipula sua moeda para mante-la com um valor baixo que mantenha os custos das suas exportações baixos. Brasil, por sua vez, também usa manipulação cambial para manter o Real em torno de 1,75 por dólar. Recentemente, líderes de empresas do Brasil têm feito lobby no governo liderado por Dilma Rousseff para continuar a desvalorizar o Real, a fim de ser mais competitivos no mercado internacional. A idéia de acordo com estes líderes empresariais, é desvalorizar o Real, pelo menos a 1,85 por dólar, o que lhes permite reduzir o custo de exportação de seus produtos aos mercados europeu e americano, e não ter que pagar salários mais altos para seus trabalhadores. Em outras palavras, a indústria brasileira está pedindo ao governo para impor mais impostos sobre o seu povo por meio da desvalorização do Real, o que realmente significa o aumento da inflação.

Em um comunicado anterior, alguns membros do BRICS falaram sobre suas reservas para denunciar a manipulação da moeda, porque a China, um dos mais influentes membros do grupo também se engaja em tal comportamento. Foi só depois que a China soube sobre a posição dos outros Estados membros e entendeu que a declaração oficial seria feita para criticar a Europa e os Estados Unidos que o documento foi tornado público. “O Brasil fará seu melhor para fazer com que grandes companheiros em mercados emergentes como a China denunciem o que considera injustas políticas monetárias na Europa e nos Estados Unidos, aumentando as apostas em um confronto de desequilíbrios econômicos globais”, relatou a Reuters. Em seguida, os representantes de algumas das empresas mais influentes multinacionais que operam no Brasil, se reuniram com o Ministro de Comércio na capital de Brasília, Brasil, para pedir ao governo para lidar com o Real para que as empresas obtenham uma vantagem no exterior em mercados internacionais.

Segundo a Reuters, o Brasil acusa os países ricos de usar políticas que conduzem a um “tsunami de dinheiro” através da adopção de políticas que ampliam os benefícios e as taxas de juro baixas e programas de compra de títulos. Essas políticas, o relatório diz, foram concebidas para estimular o problema dos EUA e economias europeias. Esta é a explicação oficial, no entanto, o objetivo real é fazer um buraco enorme de dívida, do qual a economia mundial não pode sair.

Líderes bancários na Europa e na América estão deixando o colapso da dívida ocorrer em um modo progressivo e gradual até um ponto em que a liquidez criada artificialmente não será capaz de resgatar as nações. Os chamados mercados emergentes como o Brasil têm, direta ou indiretamente, absorvido os novos fundos que os bancos e grandes investidores — em muitos casos transferidos como empréstimos ou investimentos em infra-estrutura — a fim de vincular os países em desenvolvimento ao aumento da dívida e terminar assim o processo de centralização do poder. Isso não é relatado na mídia local ou é discutido por economistas de renome, que acreditam que o investimento vem como resultado de uma atração mágica que o país possui, ou talvez porque o Brasil é governado por uma mulher, ou porque as pessoas aqui são muito amigáveis. Os poucos economistas que sabem sobre as verdadeiras intenções que os banqueiros e grandes investidores têm em mente, não tem coragem de falar sobre isso publicamente.

Em público, o BRICS parece ser liderado pelo Brasil, cujo ministro da Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, acredita que apesar de suas queixas sobre manipulação da moeda e as políticas protecionistas de outros, não poderá convencer os países poderosos para parar estas políticas, mas de alguma forma, suas queixas permitiram a adoção de políticas protecionistas que foram previamente relatadas, incluindo aumento de tarifas, a implementação de mudanças nas políticas comerciais e outras medidas originadas em órgãos supranacionais como a Organização Mundial do Comércio.

Alguns anos atrás, quando o Brasil tornou-se “magicamente” o alvo de um investimento maciço, ninguém reclamou sobre tais investimentos, ou sobre manipulação da moeda ou o protecionismo de qualquer tipo. Mas depois que o país começou a sentir os efeitos da depressão global atual, os defensores começaram a falar de razões externas para explicar porque a economia estava em queda. Embora o Brasil tenha ultrapassado o Reino Unido como a sexta maior economia do mundo, internamente os resultados de tais realizações não podem ser vistas em lugar nenhum. Na verdade, as empresas brasileiras e internacionais que operam aqui não estão nem perto de abraçar mercados abertos e livre comércio. Em vez disso, eles estão antecipando medidas protecionistas futuras para salvar-se da decisão da Europa e América. Brasil e Argentina estão conduzindo uma guerra comercial que limita o livre fluxo de bens e serviços. As empresas são obrigadas a negociar a venda de menos produtos, a fim de receber pagamentos menores e assim evitar que os bancos centrais confisquem seus dinheiros pela venda desses produtos e serviços.

“O Brasil, culpou o excesso de liquidez global pela supervaluação de sua moeda. Enquanto as indústrias locais estão em crise, a economia cresceu apenas 2,7 por cento em 2011, abaixo dos seus colegas do BRICS, caindo 7,5 por cento em 2010 “, relata Reuters. Enquanto isso, as autoridades brasileiras não reconhecem que é a sua incapacidade para governar o que causou o colapso da produção industrial. O país sofre de um dos esquemas de corrupção mais importantes do mundo que resulta em uma produção ineficiente, altíssimos impostos, e infra-estrutura pobre que faz do Brasil um dos países mais difíceis onde fazer negócios.

m4s0n501
About the author:

Luis Miranda is the Founder and Editor-in-Chief at The Real Agenda. His career spans over 17 years and almost every form of news media. He attended Montclair State University's School of Broadcasting and also obtained a Bachelor's Degree in Journalism from Universidad Latina de Costa Rica. Luis speaks English, Spanish Portuguese and Italian.

Add a Comment

WP-SpamFree by Pole Position Marketing