O Modelo Monopolista, Realidade, e a Busca pela Liberdade Individual |
Real Alternative. Real News.|Saturday, August 23, 2014
You are here: Home » Português » O Modelo Monopolista, Realidade, e a Busca pela Liberdade Individual

O Modelo Monopolista, Realidade, e a Busca pela Liberdade Individual 

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 3 JULHO 2012

É interessante ler os pensamentos das pessoas que foram treinadas no sistema educacional tradicional e saber o que eles pensam sobre a atual crise econômica global. Suas explicações são geralmente cheias de teorias que eles leram em seus livros cuidadosamente preparados para que eles estivessem mais do que dispostos a repetir o que eles aprenderam ao ignorar as opiniões dos outros, como se o que aprenderam nos livros de texto era um reflexo fiel da realidade. Infelizmente, diplomas universitários e nomes cativantes não dão uma imagem fiel das verdadeiras razões pelas quais estamos em crise hoje.

História é determinada por quem a escreveu, por isso só fornece uma referência para a qual olhamos. A questão é onde devemos procurar para ter uma boa idéia sobre o que aconteceu e como isso reflete sobre o que está acontecendo hoje em todos os aspectos da vida?

A atual crise econômica é um grande tema, que não pode ser discutido em um artigo. Eu não poderia explicar a situação atual do mundo em este texto ou responder a perguntas enviadas pelos leitores. É muito complicado. Mas, isso não significa que eu vou tentar fugir da responsabilidade.

Então aqui está:

Nós estivemos sob o mesmo sistema económico e financeiro, pelo menos nos últimos 100 anos. Este sistema foi concebido muito mais cedo por pessoas muito inteligentes que reconheceram que o monopólio era o melhor modelo de negócio para si. Desde então, estes homens têm controlado o monopólio e com isso, todos os aspectos do desenvolvimento humano. Eles moldaram o tecido social do mundo moderno, mantendo estrito controle sobre os recursos, a sua disponibilidade, desenvolvimento, e como resultado, a forma como os mercados funcionam. Portanto, não podemos nem mesmo começar a acreditar que alguma vez houve qualquer sinal de uma economia de mercado livre em qualquer lugar do mundo.

Ao longo da história humana, as pessoas se uniram para criar grupos fortes para ajudá-los a cuidar de seus interesses. O sucesso destes grupos foi baseado nas necessidades de cada pessoa e que seus direitos fossem respeitados. Grande parte do sucesso das primeiras formas de civilização foi baseado no respeito dado aos direitos naturais do indivíduo como o direito à vida, à propriedade, a defesa da privacidade, e assim por diante. No momento que houver uma violação desses direitos, ou quando alguém usou a força para limitar ou dispor de tais direitos, as civilizações se esforçaram para encontrar o equilíbrio novamente.

Estas lutas têm sido uma constante ao longo da história, porque sempre existiu gente que não tinha a intenção de respeitar os direitos individuais e naturais (lei natural), mas queriam encontrar a forma para governar os outros. Então surgiu a idéia de instalar o que é conhecido hoje como um Governo, porque se pensava que este poderia ser melhor para lidar com tudo o que os indivíduos tinham criado há milhares de anos, de modo que as pessoas confiaram suas vidas a um grupo de servidores de confiança. Mais tarde, soubemos que o governo é apenas um instrumento para manter o monopólio, uma vez que com sucesso esconde a realidade na que todos nós vivemos e nos mantém ocupados, trabalhando durante a maioria de nossas vidas para manter a burocracia fraudulenta que os homens monopolistas apoiam.

Os servidores de confiança foram comprados e pagos pelos homens monopolistas. Eles perceberam que era muito mais fácil de subornar, ameaçar ou manipular alguns bons homens, em vez de tentar ameaçar ou manipular populações inteiras. Assim foi como os homens monopolistas se tornaram donos do Governo. O modelo de negócios monopolista acompanha à humanidade de hoje, e cada dia que passa, o monopólio torna-se mais poderoso expandindo a sua influência para ganhar o poder de limitar ou proibir o acesso aos recursos, matérias-primas, tecnologia e aumentar seu poder político. É onde estamos hoje. Homens monopolistas encontraram uma maneira de legalizar o modelo da máfia usado em seus negócios e que depois foi implementado no governo. É através deste modelo que eles conseguem controlar todos os aspectos do nosso estilo de vida.

O que um economista acredita ou pensa sobre o que é bom ou ruim para um país ou um continente é irrelevante se o economista não leva em conta que a economia é controlada por poderosos interesses corporativos que rodam tudo. Nenhuma teoria econômica terá sucesso em explicar por que aconteceu uma crise ou como corrigi-la, a menos que reconheça suas verdadeiras origens. Diplomas universitários, livros de economia títulos dados por grupos respeitáveis não ajudam quando se tenta explicar por que o mundo está na mais profunda depressão da história moderna. Nós todos temos que reconhecer que no mundo de hoje os Estados-nação já não decidem o que acontece com os seus próprios destinos, ou os de seus cidadãos. Os homens monopolistas decidem. Eles continuam a fazê-lo até que a humanidade acorde para o que está por trás da cortina – ou, neste caso, quem está por trás da cortina.

A humanidade nunca poderá desfrutar do capitalismo real, mercados livres e da justiça social — o que seja que isso significa — a menos que sejamos capazes de reconhecer como o sistema realmente funciona. Keynes, Krugman e todos os outros pensadores e cabeças falantes não contribuem nada de novo para um debate econômico, porque eles só repetem o que aprenderam na faculdade ou qualquer outro modo de doutrinação a que foram sujeitos. Não há realmente nada de novo ou benéfico que podemos obter, a fim de analisar o estado atual da humanidade, se tomarmos como ponto de partida as ideologias que tem nos enganado e que foram inventadas pelos mesmos homens monopolistas que eu mencionei acima, como uma ferramenta para dividir e conquistar. As mesmas pessoas que inventaram a teoria do socialismo, são as mesmas que inventaram o fascismo, a democracia e todas as outras faces do mesmo dado.

No entanto, há esperança.

Sem dúvida, uma grande minoria de pessoas já estão conscientes desta realidade, e essa minoria vai ter que liderar uma vez mais a maioria ignorante, a fim de libertar a humanidade do mal que trouxe o monopólio mundial. Se existe algum resultado positivo da atual crise econômica, e que tem acordado milhões de pessoas em todo o mundo. Esta crise tem sido uma oportunidade para abrir nossos olhos e ver além do que é mostrado para nós como uma realidade, mas que nada mais é que uma fraude. Os estágios iniciais de uma nova luta para o retorno à liberdade individual está começando a engatinhar agora e como aconteceu no passado, passara muito tempo antes de esta luta concluir.

À medida que o monopólio pode ser definido como a falta de igualdade, a igualdade não será conseguida usando uma poderosa entidade que rouba de uns para dar aos outros. Os pobres precisam ser educados sobre a realidade, então eles serão capazes de superar-se e criar o seu próprio presente e futuro. No momento em que as pessoas entendam os conceitos de direitos individuais, auto-responsabilidade, auto-governo e assim por diante, é quando nós seremos capazes de derrotar o sistema de monopólio.

As pessoas no poder viram uma grande oportunidade e a aproveitaram — para o pior, como agora sabemos. Mas eles tiveram a liberdade de escolher. Todos devemos ter a oportunidade de aproveitar as oportunidades, mas com a compreensão de que temos a responsabilidade de cuidar de nós mesmos e construir nossas próprias vidas, ao invés de roubar dos outros para chegar à frente. Finalmente, a igualdade deve ser um conceito que significa que todos sejam igualmente bem-sucedidos em todos os sentidos da palavra, e não igualmente pobres, que é o que os líderes do socialismo moderno, que apoiam a intervenção do Estado querem – às vezes até sem saber.

Pessoalmente, tenho de acrescentar que o uso da força ou violência –que é o que homens monopolistas e os governos costumam fazer — para impor pontos de vista, políticas, ou seus desejos, apenas nos impede de alcançar o tipo de mundo em que a maioria de nós quer viver. No momento em que as pessoas entendam que impor nossa vontade sobre alguém pela força ou coerção é a raiz de todos os nossos problemas, será quando poderemos  resolver muitos destes problemas. Isso vai acontecer quando as pessoas saibam e entendam o conceito de auto-governo, auto-responsabilidade e respeito pelos direitos inalienáveis que temos como indivíduos. Depois que a maioria de nós aprender e entender esses conceitos, podemos sentar e debater sobre economia, política ou qualquer outro assunto.

p5rn7vb
About the author:

Luis Miranda is the Founder and Editor-in-Chief at The Real Agenda. His career spans over 17 years and almost every form of news media. He attended Montclair State University's School of Broadcasting and also obtained a Bachelor's Degree in Journalism from Universidad Latina de Costa Rica. Luis speaks English, Spanish Portuguese and Italian.

Add a Comment

WP-SpamFree by Pole Position Marketing